A alta da miséria no Brasil

Em 4 anos a miséria no Brasil cresceu 33%, isto é, desde 2014 até 2017 o total de pobres em nosso país passou de 8,38% para 11,18% da população o que representa 23,3 milhões de pessoas nesta condição, segundo estudo da FGV(Fundação Getúlio Vargas).

Leia mais…


Somos INVERTA! 500 edições de Resistência

Neste especial, entrevistas com alguns imprescindíveis do Jornal INVERTA, que declararam o que significa para eles a edição 500, esse marco histórico, depoimentos dos que estiveram desde o início dessa saga, ou até antes, como o caso da primeira entrevista, com o Prof. Dr. Aluisio Bevilaqua, fundador e editor-chefe do INVERTA. Durante o ano, declarações de mais pessoas serão publicadas e trazidas aos leitores e leitoras.

Leia mais…

Coletivo Religiosos Antifascismo é formado na capital pernambucana

Na noite do último dia 9 de julho, terça-feira, homens e mulheres de diversas matizes religiosas reuniram-se no centro do Recife para discutir a formação do coletivo Religiosos Antifascismo. A iniciativa foi puxada pelo Reverendo Wellington Nascimento, da Igreja Episcopal da Libertação e do Movimento Evangélico Progressista – MEP.

Leia mais…

Homenagem a grande amiga e intelectual marxista revolucionária Marta Harnecker.

Com estas duas imagens, gostaria de homenagear e recordar a grande amiga, intelectual marxista e revolucionária, desde da década de 1970, Marta Harnecker. Marta foi Psicóloga, Jornalista e Socióloga e autora de obras inesquecível que se popularizaram em toda a América Latina, entre estas Cadernos de Educação Popular, em parceria com a socióloga Gabriela Uribe, Conceitos Elementares Do Materialismo Histórico, A Revolução América Latina, Forjando a Esperança, Ideias Novas para Tempos Novos, A Estratégia Política de Fidel Castro...

Leia mais…

64 nunca mais!

A sociedade brasileira hoje, passados 30 anos de golpe militar, tem o dever e o direito de saber o que aconteceu em nosso país nos 21 anos de arbítrio institucionalizado, com cotidianas perseguições políticas, torturas, assassinatos, sequestros e desaparecimentos.


Quem é que vai pagar por isso?

O dia 31 de março que foi adotado pela Ditadura como data oficial do Golpe Militar, é falsa pois, na verdade, a data do acontecimento foi o dia 1° de abril. Este fato já por si é um bom demonstrativo da natureza conceitual sobre, não somente, quando ocorreu o acontecimento, mas também, sobre quem são seus responsáveis, como foi realizado e por quê.

O golpe de 64 e a economia nacional

Eu posso julgar os 30 anos de governo militar através da dívida externa. Porque quando Castello Branco chegou ao governo, a dívida externa do Brasil no tempo de João Goulart era apenas de pouco mais de três bilhões de dólares. E quando terminou a fase militar, a dívida externa do Brasil tinha passado para 100 bilhões. Neste momento de crise maior por que estamos passando isso dá uma idéia de que temos que ter um pouco mais de cautela na questão da presença de um governo militar, nos antecedentes.

1964: NÃO!

Há poucas semanas, percorrendo as ruas de Bayonne, na França, deparei com duas ruas que desembocavam na praça central da cidade e não pude fugir ao sentimento de ironia e de revolta, pois uma se chamava Victor Hugo e a outra, Thiers. Quem não se recorda do imenso desprezo e rancor que o grande poeta e político republicano manteve em relação ao pérfido anão, que foi o principal responsável pelo massacre de centenas de revolucionários da Comuna de Paris, em 1871?

Brasil 64-94

O Brasil vinha se construindo, confiante como nunca em sua capacidade de transformar-se para superar o atraso e acabar com a pobreza, quando sobreveio o golpe militar de abril de 1964. O que se queria era alargar os quadros sociais, para que mais brasileiros tivessem empregos em que progredissem por seu esforço, para que todos comessem todos os dias, para que cada criança tivesse oportunidade de completar seu curso primário. Vale dizer, aquilo que é progresso e modernidade para nações civilizadas. Tudo, dentro da democracia e da lei.

Leia mais…

O espólio da Revolução

Há trinta anos, militares de direita, a pretexto de combater a subversão e a corrupção, e "salvar" o País do "bolchevismo", tomaram o poder pelas armas e, no poder, permaneceram quase duas décadas. A esse golpe de Estado, semelhante a todos os outros que já se tomaram rotina na história do nosso Continente, chamaram de "revolução". O golpe precisava justificar-se, forjar sua ideologia que, aliás, já estava pronta, a "doutrina" da segurança nacional, elaborada na Escola Superior de Guerra, apelidada, não se sabe porque, de Sorbonne.

Leia mais…

1964: a vingança como programa de revolução

A Revolução de 1964, não sei bem porquê é chamada de revolução, serviu mais a qualquer outro fim a um programa de vingança. Ela perseguiu especialmente pessoas que tinham desagradado os personagens que tomaram conta do Movimento que, à falta de melhor orientação, seria ajustado aos seus propósitos o de criar rótulos suspeitos para pessoas qualificadas como subversivas, condição derivada apenas de posições liberais, tomado o termo no sentido de tolerância em face de opiniões divergentes, especialmente como filiados a partidos considerados de esquerda.

Leia mais…

O golpe de 64 e a resistência do povo

Quando se vai comemorar, em 1º de abril, 30 anos do sanguinário golpe de estado, com apoio dos Estados Unidos da América do Norte, contra as instituições democráticas de nosso país, diariamente, alguns jornais escrevem artigos, com palavras ofensivas a heróis brasileiros, particularmente ao Capitão do Exército Carlos Lamarca. Infelizmente os mortos não se podem defender das mentiras e das calúnias. Há, entretanto, inúmeros brasileiros que sempre defenderão sua memória.

Leia mais…

A agenda ambiental e o perigo que ronda o Brasil de Bolsonaro

O novo governo que tomará posse em janeiro de 2019 enfrentará grandes contradições ao levar a cabo a sua política econômica neoliberal trazendo grandes prejuízos ao ser humano e à biodiversidade como um todo. O Brasil, como país emergente, há anos têm se colocado de forma a contribuir com a agenda ecológica, foi protagonista na ECO-92, teve papel importante na RIO+20 e é cossignatário do “Acordo de Paris, da qual pode sair, segundo apontou o próximo mandatário.

Leia mais…

Mês da Consciência Negra no RJ homenageia o líder Zumbi dos Palmares e Tia Ciata

O dia 20 de Novembro de foi instituído pela lei 10.639/2003 como o Dia Nacional da Consciência Negra e na cidade do Rio de Janeiro várias atividades foram realizadas durante todo o mês de novembro, destinadas à valorização da cultura afro-brasileira.

Leia mais…

Médicos cubanos saem do Brasil Fim Programa Mais Médicos

No dia 14 de novembro de 2018, o Ministério de Saúde Pública de Cuba divulgou declaração informando que, diante das referências depreciativas e ameaças à presença dos médicos cubanos proferidas pelo presidente eleito. Os médicos e médicas, em sua maioria, já retornaram à sua Pátria e foram recebidos como herois pelo presidente cubano Miguel Díaz-Canel Bermudez, em Havana. Nesta edição, a declaração do Ministério da Saúde de Cuba e a nota da Associação de Médicos egressos da Escola Latino Americana de Medicina -Cuba.

Leia mais…

Marielle Franco, presente!

O Jornal INVERTA - Órgão Central do Partido Comunista Marxista Leninista (Br) se soma ao imenso pesar pela morte da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, e do motorista que a acompanhava, Anderson Pedro Gomes, assassinados brutal e covardemente.

Leia mais…

Arcángeles, um livro de leitura obrigatória

Escrito por Paco Ignacio Taibo, Arcángeles revive a vida de 12 revolucionários de quem poucas vezes ouvimos falar. Ele nos conecta com os aspectos mais singelos da vida de cada um e com os atos que fizeram e os quais não podemos nos esquecer; nos lembra que as derrotas fazem parte dos processos de luta e que são tão heróicas quanto as vitórias.

Leia mais…

O teatro e o vigor do Grupo Resistência CTI (Centro de Teatro Improvisarte)

O INVERTA entrevista o Grupo teatral Resistência CTI, criado em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense por estudantes secundaristas. O teatro uniu os jovens de bairros, que anteriormente estavam separados para desavenças que nada tinham a ver com eles, mas o teatro e a música uniu Juventude no CTI.

Leia mais…

Etiópia, onde tudo começou

Sob um grosso cristal, na inquebrantável quietude do subsolo do Museu Nacional da Etiópia, localizado na capital Addis Abeba, descansa o que para muitos especialistas constitui um dos maiores tesouros da humanidade: o esqueleto da pequena Lucy.

Leia mais…