AS "REVOLUÇÕES" ÁRABES

Texto de A. V. Kharlámenko do Partido Comunista (bolchevique) de Toda a União sobre a ofensiva imperialista sendo preparada na Líbia para saquear seus recursos e recrudescer a onda reacionária no mundo

Chove sobre Trípoli.

 

Realmente chove na capital da Líbia, como sempre nesta estação do ano. Ainda mais se formos acreditar nos meios massivos de comunicação mundiais e russos. Aí então teremos uma verdadeira chuva de balas e granizo de bombas. Bombas lançadas pela aeronáutica da “ditadura sangrenta" em cima do "povo insurreto". Bala que os "mercenários africanos" atiram nos "democratas pacíficos". Como é que a "comunidade internacional" pode não intervir pela salvação de tão infeliz povo? O negócio é claro: para o "ditador" - a Corte de Haia. Para os "democratas" - o poder.

 

Para os meios de comunicação em massa "livres" tudo é muito claro: é exatamente assim que pretendem "esclarecer" a situação em qualquer país ao qual as riquezas atraiam a atenção de seus senhores. O que é realmente estranho é a posição de muitos que se consideram de esquerda, e mesmo de alguns que se consideram revolucionários. Uns apenas calam e esperam para ver quem vai ganhar e para onde vai caminhar a situação. Outros explodem em euforias de vitória, dizendo: "os povos se levantam uns atrás dos outros - primeiro a Tunísia, Egito, Iêmen, Jordânia, Bahrein, Marrocos, Algéria, Irã e agora a Líbia! Sem tirar nem por, se trata da revolução democrática mundial! Fim a todos os ditadores! Claro, aqui o critério para "ditador" é muito mais simples do que dois mais dois são quatro - depende apenas de quantos anos o tal passou no poder, ou seja: exatamente como nos meios massivos de comunicação da burguesia. Ou ainda como disse Zhirinóvski, chamando os acontecimentos atuais de "levante contra os Brêzhnevs árabes". Para ele, o sangue nas ruas seria a evidência incontestável dos "crimes da ditadura". No entanto, a maioria dos analistas não diz uma só palavra sobre a situação real do país, sobre a essência das forças em conflito, suas relações internacionais e sobre quais as prováveis perspectivas para a região. E os que falam sobre isso certamente não extraem suas informações dos videoclipes divulgados pela grande imprensa.

 

Mas vejam que qualquer um que acompanhe os fatos, que se lembre da história recente e não se encontre sob a hipnose da propaganda burguesa não pode deixar de levar em conta o fato de que a Líbia se diferencia enormemente dos países realmente tomados por protestos populares.

 

A Líbia é muito mais rica em petróleo e gás do que seus vizinhos, e a população de seu país majoritariamente desértico é algumas vezes menor - 6 milhões.

 

Com os preços atuais do petróleo, os líbios, mesmo se supuséssemos uma situação similar a dos países vizinhos, viveriam em condições um tanto melhores e dificilmente teriam motivos para se lançar à morte pela "liberdade". Sob o "ditador Kaddafi" realmente se vivia melhor do que nos países vizinhos. E antes se vivia bem pior. E não apenas sob o comando dos colonizadores italianos ou dos ocupadores franco-britânicos, mas mesmo quando a primeira colônia africana adquiriu a independência, por iniciativa da URSS. Em fuga, os colonizadores deram o poder nas mãos do rei Idris, cabeça da ordem dos dervishes-sinuístas, há muito tempo governantes da parte leste do país, em Cirenaica. Claro que não incomodava nem um pouco aos ex-colonizadores o fato de que tal ordem ficara em ambas as Guerras Mundiais não do lado deles, mas sim do lado dos agentes turco-alemães. Até a chegada ao poder da "ditadura de Kaddafi" um certo "veterano da SS" ficava escondido no sul da Cirenaica, num castelo nas montanhas, como um "barão sem sua coroa", controlando com suas próprias mãos a exportação de petróleo para a Arábia Saudita (a história ainda cala sobre o que mais ele fazia). E hoje vemos por todas as telas de televisão e de computador como o "povo insurreto" levanta sobre as "cidades libertas" da Cirenaica a bandeira da monarquia derrubada há quarenta e dois anos e mostra aos telespectadores ocidentais faixas escritas em inglês: "Libertar a Líbia!" e "Petróleo para o Ocidente!"

 

Obviamente: sob o regime monárquico o petróleo pertencia ao Ocidente. A renda advinda de sua exportação era obtida majoritariamente pelos monopólios estrangeiros, sendo que alguma coisa ficava com a família real e a nobreza palaciana, com os compradores-burgueses e altos-funcionários e, para o povo, não sobrava absolutamente nada. Os líbios pobres morriam de tuberculose, ficavam cegos de catarata (no interior do país ela atingia a 100% dos habitantes), e o analfabetismo chegava a 87%. Com as liberdades políticas também havia confusão: partidos eram proibidos, sindicatos não tinham direito à greve. Será mesmo que o povo está se lançando assim à morte pela "Líbia perdida"?

 

Diferentemente da ordem burocrático-burguesa da Tunísia, do Egito e do Iêmen, ou mesmo dos semi-absolutistas Marrocos, Jordânia e Bahrein, a construção social e política da Líbia tem sua base na revolução antiimperialista e anti-monárquica de 1o de setembro de 1969, realizada pela organização dos "Oficiais unionistas-socialistas livres". Os jovens revolucionários então (Muammar Kaddafi tinha 27 anos) recusaram o caminho do capitalismo e levantaram a bandeira do "estado de bem-estar e de justiça", sob os princípios da "liberdade, do socialismo islâmico, da unidade e da justiça social". Já no primeiro ano da revolução foram nacionalizadas sem indenização as propriedades dos antigos colonizadores e as da família real, a maioria dos bancos e em seguida a maior riqueza - o petróleo e todos os recursos naturais. Naqueles tempos de igualdade de forças entre os dois sistemas mundiais, mesmo um país pequeno e atrasado podia forçar os neocolonizadores a devolverem o roubado sem que ninguém ousasse ocupar ou bombardear suas cidades, ou mesmo apenas aplicar "sanções" econômicas.

 

O poder revolucionário não apenas ampliou a renda conseguida pelo país do petróleo, mas também a aplicou no desenvolvimento do país e no bem-estar do povo. Sobre a base do setor estatal desenvolveu-se a industrialização do país, criaram-se refinarias de petróleo, metalúrgicas, indústrias eletrônicas e outras. Os camponeses receberam a terra, criaram-se cooperativas e plantações estatais. Sob o deserto foi colocada uma grande linha de tubos e condutores, que irrigam com água a todo o país. Os líbios pela primeira vez conseguiram saúde pública e educação gratuitas e a expectativa média de vida passou de 50 para 75 anos. O grau de alfabetização passou de 13% para 70%.

 

A renda média per capita na Líbia contemporânea é maior do que no Brasil. São coisas que os habitantes dos países vizinhos poderiam vislumbrar apenas nos seus mais doces sonhos. Por que é que o povo se levantaria?

 

Os meios de comunicação burgueses e alguns de esquerda respondem (se é que respondem): o homem não vive apenas de pão, e mesmo que na Líbia a qualidade de vida seja mediana, não existe nenhuma democracia, o que há é uma cruel ditadura familiar e a repressão à qualquer oposição. Bem, em primeiro lugar, como bem lembrou Fidel Castro alguns dias atrás, o povo não se atira na frente de balas apenas pela liberdade e pelos direitos formais. Ele se levanta quando a vida real se torna impossível e consegue a melhora das condições da vida real - fator ao qual vêm em auxílio às liberdades e à democracia.

 

Em segundo lugar, mesmo com a democracia a coisa é bem diferente do que representam os meios massivos burgueses e seus arautos. No começo da revolução deste país, seguindo o exemplo da República de Nasser, a Líbia foi proclamada República Árabe, tendo como organização dirigente a União Árabe Socialista. Quando no Egito o capitalismo burocrata-comprador tomou as instâncias superiores, os revolucionários líbios responderam com o desenvolvimento "incondicional da democracia". Em 1977 foi criado um novo órgão dirigente do Estado com a participação coletiva dos sindicatos e das organizações camponesas - o Congresso Geral Popular. Este órgão elegeu um dirigente - o Secretário geral. Nas localidades se instituíram as assembléias populares que formam os órgãos executivos do governo - os comitês populares. O país se proclama então Jamairia Popular Socialista da Líbia (Jamairia significa literalmente "poder das massas populares"). Kaddafi é escolhido secretário geral do Congresso, mas recusa a todos os cargos oficiais, permanecendo o "líder informal da revolução". Na condição de reserva, diz que não assume nenhum posto com o qual possa ter de entrar na reserva. Será que só resta ao povo se levantar para melhorar suas condições de vida diante de uma ditadura dessas? Mesmo olhando para o "florescimento" dos vizinhos que se encontram sob condições políticas e sociais completamente diferentes?

 

Mais uma diferença radical. Os regimes na maioria dos países árabes conduziram, especialmente durante a última década, uma política externa benéfica aos EUA e a seus aliados na OTAN. A Líbia, durante o primeiro ano de sua revolução conseguiu a retirada das bases militares da Grã-Bretanha e dos EUA de seu território. Já por isso Washington e Londres não gostaram de Kaddafi. Depois da nacionalização do petróleo então, ele se tornou para os imperialistas "persona non grata". Ainda mais pelo fato de que a nova Líbia se associou durante décadas com o movimento antiimperialista mundial. A Líbia desenvolveu uma relação de amizade com a URSS e com outros países socialistas. A primeira sessão do Congresso Geral Popular contou com Fidel Castro como convidado. A Jamairia conseguiu consolidar a integração política e econômica do mundo árabe e ativamente ajudava aos palestinos e aos combatentes anti-apartheid da África do Sul, aos guerrilheiros latino-americanos e à Nicarágua sandinista. Por tudo isso é que na Líbia não existe o catalisador de ódio popular que são o sentimento de humilhação nacional e o esmagamento da soberania. E por isso mesmo entre os monopólios do imperialismo e seus governos se nota um seríssimo desejo à liquidação do "regime de Kaddafi".

 

Não se pode, no entanto, considerar a Líbia o paraíso e seu líder o líder popular ideal. Até o boom do petróleo, a Líbia era um dos países mais atrasados da região e, até hoje, são fortes as rivalidades tribais, que não conseguiram se transformar em contradições de classe mais desenvolvidas. Daí advém a rarefação da base social da revolução, a falta de uma cultura política madura, e as concepções meio patriarcais e meio anarquistas sobre a democracia direta, à qual seria oposto o conceito de partido político como tal. Daí também a tentativa de substituir a vanguarda pela autoridade pessoal do líder e a constituição - o "Livro Verde", ideologia científica - por improvisações utópicas. Daí o compromisso com a religião ao nível da proclamação da Sharia como legislação fundamental e a adoção da bandeira verde do Islã como bandeira estatal (ainda que o regime líbio tenha sempre se posicionado contra o fundamentalismo como movimento político). A democracia revolucionária líbia ainda olhava com inimizade para o movimento comunista nos países árabes, criando obstáculos para sua criação em seu território e ajudando a sua repressão nos países vizinhos. Assim, graças a esta limitação histórica, refletida pelo atraso da sociedade líbia,a Jamairia e seu povo se viram obrigados a pagar um preço demasiado cruel com a entrada em crise dos recursos propiciados pelo socialismo real.

 

Nos anos 1980, Washington e seus aliados acusaram a Líbia (sem provas) de ligação com o "terrorismo internacional". Durante muitos anos impuseram-se ao país sanções econômicas cruéis e, em 1986, houve uma agressão direta dos EUA. A residência de Kaddafi foi bombardeada por mísseis e sua filha adotiva foi morta; ele mesmo escapou apenas pelo fato de que, segundo as tradições beduínas, não vivia em casa, mas numa tenda no quintal. Mas na época ainda existiam a URSS e o Pacto de Varsóvia, e o agressor teve de recuar.

 

Assim como aconteceu com Cuba, a Jamairia viu-se momentaneamente sob bloqueio após a destruição da URSS e do Campo Socialista. E claro, isto teve influência na vida de seu povo e em sua economia. O governo revolucionário, ao contrário daquilo que ocorreu na Ilha da Liberdade, não possuía uma envergadura de classe, e a partir dos anos 1990, teve que fazer uma série de concessões. Em 1999, depois das agressões da OTAN aos Balcãs, obviamente fugindo da mesma sorte para a Líbia, Kaddafi assumiu a culpa pela explosão de um avião na Escócia, sob acusações da justiça britânica. Aceitou entregar a esta mesma justiça dois dos acusados e levou um sério golpe em sua autoridade aos olhos de seus compatriotas, especialmente dos beduínos, que tradicionalmente consideram ações deste tipo como traição. Em 2001, após as provocações de 11 de setembro, Kaddafi, tentando mais uma vez escapar de ser colocado no mesmo saco, entra em aliança com os EUA e seus aliados na "luta contra o terrorismo internacional". As estruturas de força da Líbia começaram então a lutar junto com os colegas dos países da União Européia contra a imigração ilegal da África para a Europa. Os vizinhos nórdicos se alegraram com o fato de que a Líbia não deixava que passassem através de seu território pessoas desnecessárias, mas em momento algum deixaram de notar o quão cruel era o "ditador Kaddafi"com tais pessoas.

 

Em 2005, as sanções foram oficialmente removidas. A direção líbia acabou com a maioria das barreiras aos investimentos estrangeiros e realizou uma aproximação com os países capitalistas, especialmente com os da Europa Ocidental. As riquezas petrolíferas da Líbia, a grande necessidade de obras e de construção de fábricas e estradas despertaram o maior interesse dos gerentes das corporações transnacionais destas áreas e todos se puseram em fila para realizar negócios com Kaddafi. Nem Aznar, nem Blair e muito menos Berlusconi se envergonharam de manter diálogo com o "ditador". No entanto, a saída do isolamento mostrou-se uma faca de dois gumes: começou a crescer na Líbia uma camada da burguesia burocrática ligada ao capital transnacional. Tal camada, sabemos, é o berçário da corrupção e da restauração política, é a fonte da crise social e do descontentamento popular: é a base em potencial da contrarrevolução.

 

E mesmo com todas as mudanças de caráter econômico, a estrutura política identificada pelo líder da Revolução manteve uma forte tendência antiimperialista. Kaddafi mantinha uma crítica aguda ao imperialismo internacional, o que se pôde verificar em parte na Cúpula de Copenhague de dezembro de 2009. Conseguiu criar para os países do "terceiro mundo" um precedente importante e ao mesmo tempo completamente indesejável para as potências imperialistas - compensações da Itália pelos danos causados à Líbia nos anos em que era colônia (o então presidente do Haiti, Aristide, apresentou o mesmo tipo de reivindicações à França, que então passou a desempenhar um papel significativo na sua derrubada). Foi Kaddafi também o iniciador da reformulação da Organização da Unidade Africana numa união para a integração - a União Africana.

 

Nos últimos anos, o líder da Jamairia começou a diversificar as ligações da economia exterior. Rússia e China fizeram enormes investimentos na Líbia. Em outubro, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, foi à Jamairia imediatamente depois de ter visitado a Rússia, Belarus, a Ucrânia, o Irã e a Síria. Ambos os líderes falaram publicamente sobre a luta conjunta contra o imperialismo e concordaram com um programa massivo de cooperação. Um pouco antes do "levante", o presidente da Federação Russa assinou na Itália um contrato de investimentos conjuntos na Líbia. Também o Brasil realizou projetos imensos na Líbia. A força principal, criada por iniciativa de Kaddafi, a nova União das Repúblicas Africanas entrou por esses dias para o grupo dos países do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China). A Líbia havia começado a construir um sistema de relações internacionais que seria capaz de limitar seriamente a liberdade de ação da reação imperialista. E, em caso de mudanças revolucionárias no mundo árabe, capaz de disseminar o "levante de esquerda" para além das fronteiras da América Latina.

E eis que aparece o contra-golpe. Exatamente no momento em que começam as revoluções egípcia e tunisiana. Exatamente quando a bandeira do protesto popular se aproxima da principal bacia petrolífera da região - a Arábia Saudita. Exatamente quando os palestinos conseguem o reconhecimento diplomático de por muitos países, em sua maioria latino-americanos. Quando os Estados Unidos são obrigados a lançarem sozinhos o veto na resolução da ONU que condena a construção de assentamentos israelenses em terras palestinas, aprovada por mais de 100 países. Quando o maior país da União Africana, o Sudão foi levado à divisão em dois Estados, quando o país mais populoso da África, a Nigéria, se aproxima de suas eleições presidenciais. A pergunta dos juristas romanos "Quo bono?" (“Quem se beneficia?”) se faz, diante de tal situação, meramente retórica.

 

O desenvolvimento da tragédia na Líbia se diferencia bastante dos acontecimentos nos países vizinhos. Na Tunísia e no Egito, assim como em outros países, houve muitas vítimas, mas os manifestantes continuaram os protestos pacíficos, ocupando as praças centrais das capitais e se relacionando com a sociedade nacional e internacional. Na Líbia, se formos acreditar no "ódio justo" dos políticos burgueses e dos meios massivos de comunicação, o regime de Kaddafi ordenou às forças de segurança e ao exército que atirassem contra os "manifestantes pacíficos", que, em resposta, pegaram em armas. Ora, se tratassem mesmo de manifestantes pacíficos tal ordem de atirar, ou mesmo de bombardear numa situação similar poderia ser fruto apenas de um louco doente ou de um provocador, cujo objetivo fosse levantar o povo contra o governo. A repentina mudança de lado do ex-ministro do interior levanta algumas suspeitas: não foi ele mesmo quem ordenou atirar - se é que atiraram mesmo - nos manifestantes? As mesmas suspeitas podem ser levantadas a respeito dos vôos sobre Malta realizados pelos pilotos da aeronáutica, como se se recusassem a bombardear as "cidades pacíficas" - não foram eles mesmos quem soltaram as primeiras bombas, numa imitação dos trânsfugas-"gusanos" ante a derrota dos contrarrevolucionários em Playa Girón? E se realmente se tivesse utilizado o bombardeio aéreo contra as cidades insurretas, como fizeram na Nicarágua em 1978-79, não chegariam os alvos nas casas dos milhares ao invés de ficar apenas nas dezenas e centenas que se contam até agora?

 

Acreditaremos em tal "história da carochinha"? Dificilmente manifestantes pacíficos conseguiriam tão facilmente ter acesso a armas, quanto mais tanques, e dificilmente os recrutas do exército passariam tão rápido para o seu lado - isto não aconteceu em nenhum outro dos países tomados recentemente por ondas de protesto. Antes de mais nada, estamos lidando não com manifestantes, mas sim com soldados muito bem armados e preparados, enviados pelas fronteiras abertas, assim como num motim militar igualmente bem preparado.

 

A quinta coluna na Líbia, especialmente em Cirenaica foi preparada não há um ou dois anos. Sua atuação foi preparada ainda em 1986, ano em que se precisou recuar pois a intervenção fracassou. No início dos recentes acontecimentos, a agência líbia comunicou a prisão de cidadãos estrangeiros que estavam no país para dirigir os atos da "oposição".

 

Seguem o mesmo esquema muitas contrarrevoluções e levantes, que vão da Guatemala de 1954 à Romênia de 1989, de Moscou em 1991 e 1993 à Belgrado no ano 2000, da Venezuela em 2002 à Bolívia em 2008. Mesmo nos quadros filmados pelos próprios "manifestantes" líbios se vê que estes se parecem muito mais com soldados do que com cidadãos pacíficos. O método de "soldados pela democracia" é o mesmo de Kishniev e Teerã em 2009, o mesmo do Equador em setembro e de Belarus em dezembro de 2010. Destruição e incêndio de prédios públicos, a invasão de comitês populares, de meios de comunicação e - muito sintomaticamente - de empresas chinesas. Há um terrorismo aberto: certo pregador islâmico do canal "Al-Jazeera" já conclama "cada muçulmano capaz de apertar um gatilho" a matar o líder líbio.

 

Quem faz os protestos pacíficos são os aliados da Jamairia. Já se viu coisa parecida durante a história do mundo árabe. Em junho de 1967, a República Árabe Unida - hoje em dia, Egito - foi submetida à agressão de Israel. A quinta coluna estava pronta para jogar o país aos pés do inimigo, se apenas conseguissem derrubar Nasser. E ele realmente renunciou. Mas o povo não aceitou a renúncia, foi às ruas e levou seu líder de volta ao poder. Os líderes da quinta coluna foram presos e começou a radicalização da revolução, interrompida apenas pela morte antecipada de Nasser sob circunstâncias duvidosas.

 

Depois que Kaddafi se voltou ao povo conclamando à resistência e anunciou precisamente que não deixará seu país, o apoio do povo, pelo visto, tende para seu lado. Mesmo o "New York Times" escreve que no lado oeste do país os aliados da Jamairia ganham posições. Mas o país corre o risco de uma separação nos moldes do Sudão. Oficiais e burocratas compõem o campo da "revolução" de bandeira monarquista, assim como os chefes tribais e o alto clero, os comandantes da polícia e os diplomatas de carreira. Na linha de frente, encontram-se os embaixadores em Londres (!), em Washington (!!), em Pequim (?!) e o representante da Líbia da ONU. Este último inclusive pediu que o Conselho de Segurança desta organização se pronunciasse sobre a questão líbia, dando sinal verde para a intromissão nos assuntos internos de seu próprio país.

Põe-se a nu também a "oposição" emigrante - a "Frente para a Salvação Nacional" de Londres (se alguém esqueceu, assim se chamava o grupelho que chegou ao poder na Romênia após a derrubada e o assassinato de N. Ceausescu, aliás, amigo e aliado de Kaddafi), e o "Partido do Renascimento Islâmico". E ambos imediatamente pediram aos governantes dos países da OTAN que aplicassem sanções fortes. Kaddafi avisa que ante uma ameaça de invasão serão queimados os poços de petróleo, o mesmo aviso feito pelo general Candido Aguilar no México em 1916, futuro ministro de relações exteriores, acabando com a intenção dos interventores de capturar as fontes de petróleo de seu país.

 

Os líderes burgueses e seus lacaios esbravejam sobre a necessidade de fechar o espaço aéreo da Líbia, para interromper a chegada de "mercenários". Dizem isso por conta própria. São eles que não possuem outras reservas além dos mercenários, acompanhados das prostitutas políticas e ordinárias de ambos os sexos. Por enquanto ainda não mostraram ao mundo nenhum dos "mercenários de Kaddafi". E é realmente um fato concreto que se possa achar gente na África ou em qualquer outro lugar que vá não por dinheiro, mas motivados por idéias, a lutar pela soberania da Líbia contra a agressão imperialista. A Jamairia ajudou em tempos difíceis, e alguns anos atrás, quando a República Democrática do Congo sofria agressões, vieram em sua ajuda soldados de alguns dos países da União Africana. Por que então agora não ajudariam ao país que iniciou o processo de descolonização e integração do continente?

 

O mais importante hoje é impedir a intervenção da OTAN na Líbia. O primeiro a se levantar a plenos pulmões sobre esta ameaça foi Fidel Castro. É preciso impedir a intervenção enquanto ela ainda não começou. Trata-se de uma ameaça não apenas à Líbia. Os organizadores do motim e da intervenção têm planos de controlar toda região fervilhante do mundo árabe. Conquistando o petróleo líbio depois do iraquiano, pretendem regular os preços e os consumidores, assim como a produção. Vejam que não é a imprensa marrom, mas sim o próprio ministro de relações exteriores da Grã-Bretanha que deixa escapar o medo de que Kaddafi fuja... para a Venezuela! Não se agüenta e faz uma provocação à República Bolivariana, que detém as maiores reservas de petróleo do mundo. Já mandam sua quinta coluna para as ruas de Teerã, e tentam tomar as ruas chinesas e norte-coreanas. Washington e Seul já alertam para novas manobras nos limites da RPDC.

 

E a Rússia não está em último lugar na fila. Não parece ser acidental que nestes dias ouvem-se explosões e tiros no Cáucaso e a secretária de Estado dos EUA pela primeira vez anuncia as pretensões do Japão sobre as Ilhas Curilas.

 

Um dos líderes da oposição de direita brasileira compara os acontecimentos atuais com a queda do muro de Berlim - símbolo da contrarrevolução global dos anos 1990. Trata-se realmente de uma nova tentativa de levantar mais uma onda de contrarrevolução mundial, oprimindo a toda a humanidade. Lembremos: a intervenção fascista na República Espanhola aconteceu com a participação silenciosa de todo o mundo imperialista, e precedeu a Segunda Guerra Mundial. Então, os fascistas se utilizaram de uma senha transmitida por rádio, que avisava a todos sobre o motim franquista que abriu caminho para a intervenção: "Sobre toda a Espanha o céu está sem nuvens".

 

A destruição da URSS foi precedida por uma operação coordenada pelo imperialismo mundial contra o governo da Unidade Popular no Chile. Há um bom filme sobre isto, que foi nomeado com a senha utilizada pelos amotinados: "Chove sobre Santiago".

Hoje a chuva cai sobre Trípoli e Benghazi. Amanhã, em algum outro lugar provavelmente teremos um dilúvio ou um massacre sangrento sob um céu sem nuvens.

 

Fiquemos atentos!

 

A. V. Kharlámenko

miqueas reinoso
miqueas reinoso disse:
03/04/2011 23h27
saludos desde las Tierras de Chile

gracias

atte miqueas reinoso
miqueasreinoso@yahoo.es
Marcos Santana
Marcos Santana disse:
26/04/2011 19h03
Mandem para meu correio informções deste nível,não há que vacilar diante de tamanha monstruosidade do Império,precisamos está armados ideologicamente para que o aviso do nosso Lider,Fidel seja ouvido pela juventude brasileira!
Comentários foram desativados.