Médicos cubanos saem do Brasil Fim Programa Mais Médicos

No dia 14 de novembro de 2018, o Ministério de Saúde Pública de Cuba divulgou declaração informando que, diante das referências depreciativas e ameaças à presença dos médicos cubanos proferidas pelo presidente eleito. Os médicos e médicas, em sua maioria, já retornaram à sua Pátria e foram recebidos como herois pelo presidente cubano Miguel Díaz-Canel Bermudez, em Havana. Nesta edição, a declaração do Ministério da Saúde de Cuba e a nota da Associação de Médicos egressos da Escola Latino Americana de Medicina -Cuba.

No dia 14 de novembro, o Ministério da Saúde de Cuba divulgou declaração informando que, diante das referências depreciativas e ameaças à presença dos médicos cubanos proferidas pelo presidente brasileiro, que assumirá o cargo a partir de 1 de janeiro de 2019, todos os médicos cubanos sairão do Programa Mais Médicos até o final deste ano.

 

Desde a chegada dos médicos cubanos ao Brasil, muitas informações falsas foram divulgadas. Diversos Conselhos Regionais de Medicina no país, com apoio do Conselho Federal de Medicina, se posicionaram contra, desde o anúncio do Programa. Assinalo aqui somente alguns, já comentando o que é verdadeiro:

 

1 – Todos os cubanos que aqui chegaram são médicos formados, com um currículo de 6 anos de graduação e posterior trabalho obrigatório, de 5 anos, em Medicina de Família. Todos eles, ao concluir o curso de medicina, trabalham e residem em localidade onde respondem pela saúde dos residentes neste território. Detalhe é que estão no meio do povo, portanto, são povo também. Não são de classe social diferente!

 

2 - Todos os cubanos que para cá vieram são médicos com larga experiência, inclusive em atividades em diversos países muito pobres e em locais atingidos por catástrofes, furacões, enchentes, vírus Ebola; como na América Latina, na África, etc. Aliás, ressalto que nestes locais, quando ocorrem as tragédias, quem vai e fica são os cubanos, sem muitas vezes receber qualquer ajuda, mesmo sendo um país com grandes dificuldades econômicas devido ao bloqueio econômico imposto pelos EUA.

 

3 – Chegando aqui no Brasil, estes médicos foram para as áreas e regiões onde os brasileiros não quiseram ir. A prioridade de escolha sempre foi dos brasileiros. Mas, nunca reclamaram, foram para tribos indígenas, para populações mais distantes, onde não tem telefone, somente orelhão, e a internet precária, quando tinha. Enfim, cerca de 700 municípios brasileiros que nunca tiveram um médico, passaram a ter a presença dos profissionais cubanos.

 

4 – Todos os médicos que vieram são servidores do Ministério da Saúde de Cuba. Lá não existe medicina privada. Estes que para cá vieram, voluntariamente, aprenderam a língua portuguesa e, caso tivessem proficiência na língua, já poderiam vir para cá. Ninguém os obriga a isto. Sabiam das condições que teriam de enfrentar, e mesmo assim quiseram vir.

 

5 – O contrato feito para a vinda dos profissionais não foi um contrato individual. Foi um contrato entre os países e a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), em que o governo cubano se comprometia a enviar profissionais para atender no Programa Mais Médicos. Cuba é um país socialista, todos os cidadãos têm direito garantido à saúde (atendimento, exames, cirurgias, hospitais e medicamentos, sendo a porta de entrada os médicos de família, que sempre acompanham a todos sob sua responsabilidade, mesmo quando vão para áreas de especialidades), educação (uniforme, material didático, etc – o cidadão cubano não paga por nada) – sempre há escolas próximas ao seu local de moradia -, cultura, lazer, alimentação. Tudo isto não sai de um salário recebido por cada cidadão, mas das diversas instituições (ministérios) que respondem por tudo listado anteriormente. Para isto vai o dinheiro que o governo cubano fica do que recebe no contrato por médico. O médico que para cá veio já sabia disso e sua família continuou lá usufruindo deste sistema. Segundo declaração de um médico cubano publicada no Jornal do Brasil no dia 18 de novembro de 2018, ele não foi impedido de trazer a família, mas não quis trazê-la.

 

Sem dúvida, usam a lógica e dinâmica da sociedade capitalista para analisar as condições no socialismo. O médico cubano tem uma visão humanista que usa no seu exercício profissional. Lastimável o que se vê de publicações e notícias falsas.

 

Os médicos cubanos estão capacitados e prestaram um grande serviço ao povo brasileiro, pois muitos aqui puderam ter acesso ao atendimento que nunca tiveram. Muitos dados, que o próprio Ministério da Saúde Cubano divulgou em sua declaração, constam no quadro que publicamos.

 

Ana Alice P. Teixeira