As inundações em Seine e Marne

Thomery é uma comuna francesa localizada na região administrativa da Île-de-France, no departamento Sena e Marne. Não é surpresa andar pelas florestas de Fontainebleau e ver as casas tomadas pela água e o sofrimento de muitos que tudo perderam pela segunda vez em um ano.

Thomery é uma comuna francesa localizada na região administrativa da Île-de-France, no departamento Sena e Marne. Seine e Marne fazem parte da grande ilha de França, região esta que circunda toda a cidade de Paris.

 

Banhada pelo Rio Sena que atravessa Paris e recebe vários afluentes como o rio Loing e o rio Marne este chega ao mar em um de seus braços.

 

Ao longo do rio sempre existiu inúmeras pequenas vilas, muitas delas existiam em função da cultura da uva e também para as casas de verão de muitos ricos parisiences que vinham aproveitar o rio e as delicias da região imperial de Fontainebleau com seus inúmeros castelos senhoriais.

 

No entanto, sempre houve enchentes nestes rios, já relatadas desde 1910. Ao longo dos anos passou a um aumento de mais de 8 metros do seu nivel, inundando inúmeras regiões ribeiras.

 

Mesmo assim, as casas se mantinham, pois eram construídas há uma distância considerável do leito do rio, mantendo-se jardins e árvores até o leito, o que evitava danos nas residências.

 

Com o passar dos anos, o crescimento desenfreado e o empobrecimento dos nobres fizeram com que as familias herdeiras vendessem seus terrenos de jardins, justamente na beira dos rios; e as prefeituras, na ganância de aumentar sua lucratividade, aceitaram os projetos de contrução a partir dos anos de 1890, o que transformou todo o espaço ribeirinho em concreto.

 

A natureza está tomando de volta o que lhe pertence e o Rio Sena invade todos os anos, e, aqueles que investiram o que tinham, a classe média e trabalhadora, estes ficam todos os anos debaixo d’agua.

 

Não é surpresa andar pelas florestas de Fontainebleau e ver as casas tomadas pela água e o sofrimento de muitos que tudo perderam pela segunda vez em um ano; e os pomposos caçadores vestidos com pompa e classe com seus trajes de caçador do século 18, com seus cavalos imponentes a caçar pela floresta com seus seguranças que os “protegem” dos protetores dos animais e natureza, exercendo seus direitos seculares de caça; enquanto poucos são os que se solidarizam com os pobres e aposentados que tudo perderam com as inundações e dolorosamente sabem que nunca mais poderão vender suas casas e terão que passar por inundações ainda por mais 10 anos, no mínimo, segundo previsões do serviço de pesquisa dos rios e florestas.

 

Luciana Clabonde

Thomery, França