cultura

Carnaval 2018: o golpe, o Rio universal e a resistência

Independente do resultado do carnaval no Rio, alguns sambas-enredo contestaram com maestria a política na cidade, o golpe de Estado, o racismo, o machismo e criticaram a perseguição aos cultos de matrizes africanas, . Um deles foi o da G.R.E.S Paraíso do Tuiuti, de São Cristóvão, bairro operário da cidade, que questionou: Meu Deus, Meu Deus, Está Extinta a Escravidão?