Rebelião das Musas

A conjuntura atual Na falsa democracia Desorientou os vates Jogando-os fora da via, Sufocado no chafurdo, O Poeta do Absurdo Deu-me sua sabedoria.

A conjuntura atual

Na falsa democracia

Desorientou os vates

Jogando-os fora da via,

Sufocado no chafurdo,

O Poeta do Absurdo

Deu-me sua sabedoria.

 

No dia trinta e um de agosto

De dois mil e dezesseis,

Mais uma vez, nosso povo

Usam como boi-de-reis,

Após muito ter dançado

Ele era sacrificado!

A seu favor não há leis.

O poeta maltratado,

Em suas alucinações

Escrevia umas palavras

Com ocultas conexões,

Apesar de sermos poucos

Temos muitos irmãos “loucos”

Que fazem as traduções.

 

Em um longínquo país,

Na idade dos Metais,

Derrubaram a Presidenta

Parlamentares venais,

Para entregar ao estrangeiro

Valor maior que dinheiro!

As riquezas naturais.

Karl Marx fez um acordo

Com o Patriarca Noé

Pra dá terra para todos

Independente da fé,

Mas quando a água baixou

O latifúndio chegou!

Disse o Tião Macalé.

 

Pedro Álvares Cabral

Chefe da Inquisição,

Queria explorar as Índias

Junto com Frei Damião,

Levou o pau, o ouro, o cobre...

Orgasmo não é pra pobre,

Diz a constituição.

São Jorge, para o seu Jegue

Na Fazenda Não Me Deixe,

Com a Raquel de Queiroz,

De capim cortou um feixe,

Ela disse: Em casa fico.

Ele com o seu burrico

Foram pro ventre do peixe.

 

Frei Henrique de Coimbra

F.H.C. conhecido,

Por um disco voador

Ele fora abduzido

E na volta ele dizia:

Se fiz sociologia

Disso já estou esquecido.

 

O rei Luis XIX

Com a sua fala rouca

Aprendeu com o professor

Combater a inflação louca,

Quis imitar Robin Hood,

Colaram bocas com grude

Porque comida era pouca.

O Papa Gregório XIII

O grande reformador,

De um ditador amigo

Trouxe a carta do labor,

Pra melhorar a relação

Ou minorar a tensão

Entre o escravo e o senhor.

 

O rei zumbi dos Palmares

Atrepado num cavalo

Gritava por independência

Quase perdendo o badalo

E o imperador romano

Como qualquer soberano

Apenas coçava o falo.

 

Lembro também Frei Caneca

Que a trocou por um barril,

Na sombra dele vivia

Com Lampião e Henfil,

Todos sedentos de paz

Procurando alguém capaz

De governar o país!

 

Antonio Queiroz de França