Militância Cultural nas ruas!

Militância Cultural nas ruas!


O Comitê Cultural de Luta Contra o Neoliberalismo de Comendador Soares, Baixada Fluminense, realizou um ato cultural e político na Praça de Comendador Soares no dia 03 de março de 2007.

O objetivo do evento, que teve o apoio do Jornal INVERTA, CEPPES, PCML, ASJT, JCML e SINDSPREV, foi de denunciar as ações nefastas do neoliberalismo na área de educação, saúde, moradia e emprego nos municípios, no estado e no país, e levar a arte comprometida com a transformação para as ruas, ou seja, ir até o povo.

O ato recebeu apoio da comunidade que ao final parabenizou os organizadores pela iniciativa, “é assim que começa”, disse um morador da localidade e pediu um jornal.

Os militantes começaram a chegar por volta das 15:00hs, quando começou a chamar a população para o ato, que começou por volta das 17:30hs, com falações e distribuição do Jornal INVERTA.

José de Moura, líder comunitário de Austin e membro do PCML foi o primeiro a falar, denunciou o abandono em que se encontra a população na área de saúde, na educação, no saneamento etc, “os governantes abandonaram nosso povo”. Cesinha, líder comunitário de Comendador Soares, que também fez uso da palavra entre outras denúncias falou da intenção dos governantes de querer mexer no código penal tentando alterar a questão da maior idade, como se isso fosse resolver o problema da violência, “precisamos dar oportunidades para nossas crianças, lar, educação, saúde, lazer e cultura, só assim vamos acabar com a principal violência que é a falta de oportunidades para nossas crianças”. Gerônimo, representando a juventude Comunista Marxista Leninista falou sobre a função da juventude e da cultura na transformação da sociedade, e que outros atos como esse deveriam acontecer. Osmarina, membro do PCML também denunciou o neoliberalismo, as privatizações e conclamou o povo a se organizar e lutar por uma nova sociedade, a sociedade Socialista. O ato foi encerrado com a peça “José”, encenada pela Companhia de Teatro Palco e Platéia, que também fez uma excelente agitação e propaganda em torno das denúncias da real situação da classe trabalhadora na era do neoliberalismo, dizendo que hoje todos nós da classe trabalhadora somos “José” e exortando os trabalhadores a se organizarem e mudarem toda essa dura realidade. O ato foi encerrado com a aclamação “José”, seu sonho não acabou a luta continua! .


CCLCN - Baixada Fluminense