Modernidade de Vianinha

A Cia. Toré de Teatro se apresenta na Sala Arte do TBC, com o texto “Mão na Luva” de Oduvaldo Vianna Filho. Montagem simples e funcional, utilizando com intensidade o trabalho do ator, sem aparato cenotécnico, com um brilhante jogo de luz, centrado no moderno texto de Vianinha, fragmentando a ação através de flashbacks, que nos remete ao cotidiano de um casal de classe média.

Modernidade de Vianinha

Por: Roberto Nogueira



A Cia. Toré de Teatro se apresenta na Sala Arte do TBC, com o texto “Mão na Luva” de Oduvaldo Vianna Filho. Montagem simples e funcional, utilizando com intensidade o trabalho do ator, sem aparato cenotécnico, com um brilhante jogo de luz, centrado no moderno texto de Vianinha, fragmentando a ação através de flashbacks, que nos remete ao cotidiano de um casal de classe média.

Em uma hora e meia de espetáculo, os atores Adriana Alencar e Jacinto Camarotto, exploram o universo de um casal, que estão em vias de separar-se, e descobrem que são carne e unha, ou seja, a mão e a luva de suas próprias vidas, e o que se vê é o avesso de um relacionamento que se mantém através das aparências, das brigas, da convivência, homem e mulher em condições desiguais apresentando os mesmos erros, numa competição desenfreada, dependentes de uma tabela de valores de uma classe média falida. E que as aparências enganam, traindo e se retraindo a todo o momento, como um jogo da verdade, parte de uma engrenagem social que disputa o status de manter-se acima, no topo, quem pode mais, pois o autor desnuda seus personagens e o que se vê é carne fraca e trêmula, como um filme de Almodóvar, dilacerada.

A direção de Hugo Villavicenso é correta e mantém através da luz a exaustão desse interessante universo íntimo, utilizando abajures como cenário, nos remetendo à intimidade de um casal que jamais serão os mesmos, após aquela noite.

No TBC/Arte às terças, quartas e quintas às 21h. O TBC fica na Rua Major Diogo, 315