O golpe de 64 e a resistência do povo

Quando se vai comemorar, em 1º de abril, 30 anos do sanguinário golpe de estado, com apoio dos Estados Unidos da América do Norte, contra as instituições democráticas de nosso país, diariamente, alguns jornais escrevem artigos, com palavras ofensivas a heróis brasileiros, particularmente ao Capitão do Exército Carlos Lamarca. Infelizmente os mortos não se podem defender das mentiras e das calúnias. Há, entretanto, inúmeros brasileiros que sempre defenderão sua memória.

Quando se vai comemorar, em de abril, 30 anos do sanguinário golpe de estado, com apoio dos Estados Unidos da América do Norte, contra as instituições democráticas de nosso país, diariamente, alguns jornais escrevem artigos, com palavras ofensivas a heróis brasileiros, particularmente ao Capitão do Exército Carlos Lamarca. Infelizmente os mortos não se podem defender das mentiras e das calúnias. Há, entretanto, inúmeros brasileiros que sempre defenderão sua memória.

Nas escolas, principalmente militares, ensinava-se que jamais dever-se-ia atacar uma pessoa morta.

Muitos não aprenderam estes ensinamentos infelizmente. Pobres diabos!

Até um que assassinou à queima roupa, o bravo Capitão, quando bastante doente repousava sob uma árvore, exerce um alto cargo num grêmio de militares quer dar lições do que seja um patriota Que petulância! Antes de responder a suas declarações ofensivas ao bravo oficial queria fazer uma pergunta a estes professores de patriotismo! Aqueles que assaltaram e depuseram com armas na mão e com ajuda de potência estrangeira o governo legalmente eleito de João Goulart são os patriotas alardeados nos jornais.

E mais, levando nossa população, durante 24 anos, à miséria deixando milhões de brasileiros desempregados e milhões de crianças famintas. A dívida externa multiplicada várias vezes. A Amazônia abandonada.

Estes são patriotas? Aqueles que assim procederam devam ficar silenciosos por um século, no mínimo.

Um pouco mais:

E Lamarca e milhares de brasileiros mortos, assassinados, torturados e banidos.

Os que, assim, sofreram: queriam dar pão, terra, habitação, saúde e escolas para nossa sofrida gente.

Estes são os verdadeiros patriotas.

O 1o de abril deve ser sempre explicado nas escolas e ao povo em geral para que este crime que durou 24 anos não se repita.

64 nunca mais!

Bayard Boiteaux

Matéria publicada na edição 28 do Jornal Inverta em 1º de abril de 1994