Assembleia Nacional Constituinte na Venezuela: “O atentado é uma tentativa desesperada da direita”

Comunicado - A Assembleia Nacional Constituinte repudia energicamente o vil e covarde atentado contra o Presidente Cons­titucional da República Bolivariana da Venezuelana, Nicolás Maduro Moros, perpetrado durante o ato pelo 81° aniversário de fundação da Guarda Nacional Bolivariana.

Comunicado - A Assembleia Nacional Constituinte repudia energicamente o vil e covarde atentado contra o Presidente Cons­titucional da República Bolivariana da Venezuelana, Nicolás Maduro Moros, perpetrado durante o ato pelo 81° aniversário de fundação da Guarda Nacional Bolivariana. Esta ação terrorista expressa o desespero e frustração da direita fascista que pretende alcançar pela violência o que não conseguiu pela via democrática, nem pelo golpe de Estado de 2002 e mediante a aplicação dos diversos mecanismos de guerra não convencional.

Elevamos nossa voz para de­nunciar uma vez mais diante dos governos, parlamentos e dos povos do mundo a operação em marcha contra o governo legítimo da Ve­nezuela, como parte da política de hostilidade do imperialismo para derrubar a Revolução Bolivariana, ignorando o compromisso de paz que de forma cotidiana ratifica nosso povo herdeiro das bandeiras de Bolívar e Chávez.

Nunca antes a soberania da Pátria tem sido tão ameaçada como nestes tempos, nunca antes tem sido tão defendida como hoje, desta forma ratificamos nossa firme decisão de ser livres e continuar sob a condu­ção do presidente Nicolás Maduro Moros o caminho bolivariano, que garante a máxima felicidade e o bem-estar de nosso povo.

Aos soldados patriotas que foram feridos, a seus familiares, nossa solidariedade e plena disposição de apoio.

Ao nosso Povo, reiteramos o chamado à paz. A construir uma sociedade onde possamos conviver ainda com nossas diferenças, colo­cando acima delas o amor à pátria e aos meninos e meninas que nela se levantam. A paz não cai do céu, se edifica mediante a ação coletiva dos que habitam a República Bo­livariana da Venezuela, é tarefa de todos e todas. Defendemo-la de todo aquele que pretenda aniquilá-la.

Não Passarão! Não Voltarão! Decidimos ser livres! Venceremos!

Como ocorreu o atentado

Foram duas aeronaves pi­lotadas a distância por (drones modelo DJ IM 600), cada uma carregada com 1kg de explosivo C4, equipamentos inibidores de sinal, conseguiram desorientar o primeiro drone, ativando-se fora do perímetro que buscou se atirar.

O segundo drone bateu no prédio residencial Don Eduardo, impactando em uma das janelas do prédio.

A tentativa da ação terrorista ocorreu no sábado a tarde em Ca­racas, onde os militares repeliram a ação evitando vítimas fatais.

 

Fonte: Telesur.net

Tradução: José A. Di Jorge Vasconcellos