Assuntos
che chuva cinco heróis comunismo crise do capital cuba editorial eleicoes farc haiti

Ícone PCML PCML (Br)Ícone Cooperativa Inverta Coop InvÍcone RádioRádio ícone CeppesCeppes Ícone J5JJ5J

ÍCONE RSSRSSÍcone mala diretaLista twitterTwitter

Você está aqui: Página Inicial / Edição Impressa / Edição 419 / Economia / A falta de saneamento básico no Brasil

A falta de saneamento básico no Brasil

Essa matéria foi publicada na Edição 419 do Jornal Inverta, em 01/01/2008

Segundo fontes do Ministério das Cidades de 2004, menos de 50% da população brasileira tem o saneamento básico satisfatório, sendo que a maioria dos locais atendidos com este serviço está nas grandes cidades do país. O desperdício de água pelas companhias concessionárias é muito grande, a capital com a maior taxa de perdas das fontes dos mananciais até o consumidor final é Porto Velho, em Rondônia, com 78,8% de desperdício e é a capital com menor cobertura aos seus habitantes.

A falta de saneamento básico no Brasil


Segundo fontes do Ministério das Cidades de 2004, menos de 50% da população brasileira tem o saneamento básico satisfatório, sendo que a maioria dos locais atendidos com este serviço está nas grandes cidades do país. O desperdício de água pelas companhias concessionárias é muito grande, a capital com a maior taxa de perdas das fontes dos mananciais até o consumidor final é Porto Velho, em Rondônia, com 78,8% de desperdício e é a capital com menor cobertura aos seus habitantes.

Das 27 capitais brasileiras 15 perdem mais da metade da água produzida, esta quantidade daria para abastecer 38 milhões de pessoas por dia, sendo a média de consumo nas capitais de 150 litros por habitante diários. Os locais com maior consumo são: Rio de Janeiro, Vitória e São Paulo, que chegam a gastar 220 litros por habitante ao dia, a ONU recomenda 110 litros por pessoa diariamente. Em termos de volume de água, o Rio de Janeiro tem a maior perda, com um total de 618 piscinas olímpicas por dia; São Paulo é segunda cidade com maior perda 425 piscinas olímpicas, que corresponde a 14% do total em volume. O acesso à rede de esgoto não atende a 30% da população das grandes cidades brasileiras que é aproximadamente 13 milhões de pessoas e mais da metade não tem este serviço essencial e 80% dos esgotos são lançados diretamente nos rios. Algumas cidades como Manaus, Belém e Rio Branco atendem a menos de 3% da população que nela reside, com rede de esgoto, enquanto os maiores índices de tratamento de esgoto são: Brasília, Curitiba e Rio de Janeiro, com mais de 60% de cobertura no serviço.

A saúde da população brasileira mais pobre é sacrificada com esses índices alarmantes de falta de cobertura de saneamento básico e as doenças que poderiam ser evitadas com esses investimentos na rede de abastecimento de água e de coleta esgoto é um problema que irá persistir por várias gerações no Brasil. As obras necessárias para resolver este problema são caras e não aparecem na hora das eleições e a nova lei de saneamento básico traça uma série de diretrizes para os investimentos no setor e essa legislação demorou vários anos para ser aprovada no Congresso Nacional e mais de R$ 50 bilhões por ano são necessários para que em 15 anos o problema seja solucionado e que as doenças decorrentes da falta de infra-estrutura nas cidades brasileiras tenham uma queda significativa em médio prazo. A privatização do saneamento básico é um erro, mas para que seja implementada completamente terá que haver uma decisão do STF para resolver a questão de quem a titularidade das concessões para a exploração deste tipo de serviço de estados ou municípios.

Carlos Amâncio

Rodrigo
Rodrigo says:
23/09/2011 16:01

Olá, boa noite.

Meu nome é Rodrigo, sou funcionário do site TemporadaFora.
A razão pela qual eu estou lhe escrevendo, é porque nós estamos com um projeto de conscientização através do humor, para podermos atingir um público maior.

Você pode conferir nosso trabalho em http://temporadafora.com/vlog, porém, pelo que eu li do post de vocês verifiquei que tem tudo a ver com nosso próximo filme que é exatamente sobre esgoto sem tratamento despejado diretamente nas praias/oceanos, e por isso eu adoraria poder mostrar o episódio para vocês antes que vá ao ar, para que assim possamos corrigir quaisquer coisas de última hora.

Peço desculpas antecipadas por contatar somente agora, mas eu só consegui achar o blog agora através de um amigo.

Sinta-se livre de me contatar diretamente no meu email.

rodrigo@temporadafora.com

Agradeço a atenção, Rodrigo.

Jucelino
Jucelino says:
18/03/2012 09:37

Gostei muito parabéns

jesi
jesi says:
15/09/2012 12:04

amei seu trabalho

teresa dos santos aguiar
teresa dos santos aguiar says:
11/10/2011 10:12

gostei do argumento foi muito logico teve prestigio

carolina
carolina says:
09/11/2011 08:43

gostei muito mas para que palavras assim grifadas de amarelas tirando isso adorei

Julinha
Julinha says:
24/11/2011 15:54

Maneirissímo

leticia
leticia says:
01/12/2011 20:11

essas pessoas que cuidam disso tem que agir para podemos ter um pais melhor

gustavo
gustavo says:
30/03/2012 08:47

muito bom

bianca
bianca says:
25/06/2012 15:18

muito bom adorei

Júnior Meireles
Júnior Meireles says:
09/10/2012 13:46

- O comentário foi muito bom, apesar de alguns erros de gramática e ortografia, tirando isso o artigo ficou ótimo.

leidiane
leidiane says:
28/10/2012 22:48

Essa é realmente a realidade em que vivemos! parabens pelo trablaho.

talita soares
talita soares says:
10/11/2012 10:26

gostei muito bem explicado este site esta de parabéns...

daniela de almeida santos
daniela de almeida santos says:
13/11/2012 17:36

obrigada tinha que fazer um trabalho pra faculdade isso me ajudou bastante

carolina
carolina says:
13/06/2013 19:19

site muito bom gostei muito

Adicionar Comentário

You can add a comment by filling out the form below. Plain text formatting. Comments are moderated.