editorial/movimento

O chão dos golpistas pode voltar a tremer

(…) Para entender o desdobramento recente do golpe, é necessário considerar a greve geral de 28 de abril que levou a paralisação de 30 a 40 milhões de trabalhadores e trabalhadoras, ameaçando tirar o chão dos golpistas e levando-os a uma luta interna das mais sangrentas. A classe trabalhadora, ao fazer o chão tremer, primeiro levou a rede Globo a passar para o “Fora Temer” com o caso dos irmãos Batista; o setor jurídico também procurou se eximir, assustado por saber que cometeu graves delitos e que pode vir a ter que pagar por isso. O medo da ira popular produziu os primeiros rachas no golpe. A última decisão do Supremo, de transferir o papel de intérprete da Constituição para o Congresso no caso da punição de parlamentares, representa outro passo nessa direção: os juízes jogaram nas mãos do desmoralizado Congresso a responsabilidade da palavra final e as medidas cautelares contra Aécio já foram suspensas no Senado e devem ser pelo plenário. (…)