Farsa Togada

Uma parcela considerável da população brasileira vibrou com o julgamento pelo Supremo Tribunal Federal do chamado mensalão. A mídia e o senso comum transformaram em heróis os Ministros, principalmente Joaquim Barbosa, que ficou como o baluarte da decência e da moral. Há setores que chegam a sugerir seu nome para concorrer à presidência da República nas próximas eleições. Esse senso comum e a intimidação pela mídia atingiram até setores democráticos e de esquerda que, premidos pela moral pequeno burguesa, se calaram e ficaram inertes ao Tribunal de Exceção em que se transformou o STF.

A Constituição Federal proíbe o chamado “Tribunal de Exceção, garante a ampla defesa. A burguesia nem quis saber; mandou tudo pro espaço. Estado de Direito, democracia? Que nada! Armaram o circo com transmissão em HD e fizeram a “festa”.

Muitos pesquisadores, ao longo da história, buscam respostas para como tal povo deixou tal governo adotar uma medida contra o próprio povo; exemplo: como o povo alemão apoiou o extermínio de seres humanos? Como os militares no Brasil implementaram o golpe militar quase sem resistência? Como nenhum torturador desse regime foi preso ou julgado? Em nossa América tivemos recentemente a deposição do presidente Lugo no Paraguai e Zelaya em Honduras, a luz do dia, golpes com cara e jeito de golpe.

Aqui no Brasil, as classes dominantes, desde a redemocratização, impetram pequenos golpes que solapam a democracia e o estado de direito, bem como, por vezes, comprometem a soberania nacional. Foi assim na privatização da siderurgia em Volta Redonda no governo Sarney, a armação da eleição de Collor em 1989, o confisco da poupança pelo governo desse mesmo senhor, a privataria no governo FHC, principalmente das empresas de Telecomunicações, a compra de votos escancarada para garantir a reeleição de FHC, a tentativa do governo Fernando Henrique de aprovar um acordo de cooperação internacional com os EUA, que permitiria que os norte americanos utilizassem a Base de Lançamentos Espaciais em Alcântara, no Maranhão. Os termos do acordo claramente aviltavam a soberania nacional, interditaria uma área de 620 Km² para as autoridades brasileiras, bloquearia o acesso do Brasil às novas tecnologias e determinaria com quem nosso país poderia se relacionar nessa área. Agora as classes dominantes utilizam este Tribunal de Exceção com o pretexto de “moralizar” a política. O PT tem sua parcela de culpa, não por ter indicado o Joaquim, mas por governar como os outros partidos, sem enfrentar os problemas estruturais de nosso País. Mesmo não sendo um partido Revolucionário, poderia ter combatido o latifúndio com uma reforma agrária, feito uma auditoria nas privatizações de Collor e FHC, realizando uma intervenção no monopólio das comunicações; ajustado as contas com os agentes da ditadura militar e ampliado a democracia em nosso Brasil. Ao invés disso, a Presidente Dilma, com toda a popularidade e aprovação que os institutos de pesquisa dizem que ela tem, fez uma declaração pública de que as eleições municipais no Brasil ocorreram dentro da normalidade democrática, com regras dentro da lisura institucional. Só por essa afirmação percebemos que o País da Dilma deve ser outro, pois as regras eleitorais favorecem claramente o poder econômico. Outra declaração da Dilma foi quando interpelada sobre a regulamentação dos meios de comunicações, ela posicionou-se “politicamente correta”: “Defendo a liberdade de imprensa”. Não é bonitinho isso? Talvez para a rede globo e as outras; mas como pode haver Liberdade com a existência dos monopólios? A mídia não informa, ela forma opinião, engana e ilude o povo. Vamos lembrar do comportamento da globo no debate Lula X Collor, como tratou o Governador Brizola e agora com a cobertura desavergonhada desse Tribunal de Exceção, patrulhando o voto dos Ministros e fazendo campanha contra os acusados e seu partido o PT.

O Poder Judiciário tirou os holofotes de seu telhado de vidro, como um dos poderes mais corruptos da República para vestir a toga da “honestidade” e da “moralidade”.

 


Abaixo a farsa togada!

Pela democratização dos meios de comunicações!

Pela punição aos agentes da ditadura militar!

Ousar lutar, Ousar vencer!

Neimar de Oliveira

Sucursal Inverta - RS