Cultura

Edições do INVERTA em 2008

Há 17 anos o Jornal Inverta trava a dura batalha das idéias, fazendo uma contraposição à mídia burguesa, empenhada em sua tarefa de desinformar. Mantemos essa honrosa tarefa de reafirmar a cada exemplar que a História não acabou com o fim da experiência da URSS e do Leste Europeu; que a luta contra a opressão em todo mundo segue viva e lateja em cada manifestação de revolta em todos os continentes contra o imperialismo. Levamos aos nossos leitores a realidade enfrentada por nosso povo, que continua resistindo. Como termina mais um ano, nesta edição, selecionamos as principais notícias e as atividades realizadas pelo PCML, o MNLCN, o CEPPES e a Juventude 5 de Julho, fazendo a nossa retrospectiva de 2008. (Páginas 4, 5,1B e 2B)

Portal INVERTA (inverta.org), leninismo na Internet

Quando criamos o INVERTA, tínhamos em mente a reflexão de Lênin sobre o papel dos meios de comunicação de massa na luta de classes vivenciada. Os meios de comunicação em massa são um produto da sociedade industrial. É a imposição de percepções e ideologias da burguesia, através da fabricação de notícias e propaganda, e seus suportes materiais, como mercadorias que são consumidas por toda a sociedade.

O que representa a publicação do INVERTA para você?

“O Jornal inverta representa para mim muitas coisas que a gente aprende praticamente, que outro jornal não tem, essa é a qualidade do jornal e ele representa para classe trabalhadora a organização da classe operária. Hoje vemos como classe trabalhadora, leitora, que não há jornal que fale o que o Inverta fala sobre o mundo capitalista, e o caminho que ele oferece, como a violência que extermina os nossos jovens e toda a classe trabalhadora. O Jornal INVERTA vem trazendo isso para a gente que é um modo de libertação do povo e de toda a classe trabalhadora”. Luiz Gonzaga Moreira, 59 anos, aposentado, Nova Iguaçu,-RJ.

Plano médio ao 30º Festival de Cinema de Havana

Em festivais de cinema, as pessoas se habituam a sua linguagem. Por isso, agora convém fazer um plano médio a este filme chamado 30º Festival Internacional do Novo Cinema Latino-Americano. Focalizaremos vários personagens. Vamos vê-los de corpo inteiro nestas tomadas. Todos são atores principais.

Cineclube da Juventude expõe filmografia revolucionária

Há algum tempo a Juventude 5 de Julho vem trabalhando com a massa no projeto de cineclube, levando aos estudantes e trabalhadores do Brasil, filmes que ajudam a compreender o que ocorre nos dias de hoje por efeito do capitalismo e o imperialismo no mundo. Filmes que tratam da exploração do homem pelo homem, dos conflitos armados no mundo, da miséria, da manipulação dos meios de comunicação, das consequências do efeito estufa no planeta, do neoliberalismo, entre outros temas abordados nas produções.