Política

Após a tempestade de poeira das eleições municipais brasileiras

Neste número, uma análise sobre o desfecho do processo eleitoral municipal brasileiro deste ano de 2008, que foi marcado por uma fraca luta de classes, diante de uma verdadeira tempestade de poeira, lama e corrupção enfrentada por todo o planeta, com o volume da bolha financeira, representada por mais uma crise cíclica que retorna com a mesma intensidade da crise ocorrida no ano de 1929, e como todo período eleitoral, depois de encerrado, começa o reagrupamento das forças políticas ligadas à oligarquia. A dança das cadeiras das eleições municipais preparam os partidos políticos para o grande ato das eleições presidenciais e a guerra pelo poder central.

As condições de trabalho na UERJ

Já não há pouco tempo, episódios de descaso e de desrespeito vêm evidenciando as condições de trabalho na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Salas com infiltrações e goteiras, rampas que ameaçam cair escoradas com andaimes e depósito de lixo em local inapropriado, aumentando o risco de doenças, fazem parte do cotidiano da comunidade acadêmica.

José Serra doa rodovias às empreiteiras

Governo do Estado realizou em outubro a 2ª etapa do Programa de Concessões Rodoviárias do Estado de São Paulo. Além de mais de 900 quilômetros de estradas vicinais, 1.700 quilômetros de rodovias, além de mais 900 quilômetros de estradas vicinais de São Paulo foram privatizados. Trata-se de uma “parceria”, ou privatização feita pela política neoliberal sobre as rodovias Raposo Tavares, a Dom Pedro I, a Marechal Rondon, a Ayrton Senna e a Carvalho Pinto, que foram abocanhadas pela OAS, Odebrecht, BR Vias, Brasinfra TPI. A sociedade nada receberá em troca, agora terá que pagar pedágio.