IBGE mostra alta do desemprego em março

A pesquisa do IBGE sobre desemprego mostrou que em março o total de desempregados estava em 10,1% nas seis regiões pesquisadas pelo órgão, considerando que existia um contingente de 40,2 milhões de pessoas em idade ativa no mercado de trabalho.

IBGE mostra alta do desemprego em março

  

    A pesquisa do IBGE sobre desemprego mostrou que em março o total de desempregados estava em 10,1% nas seis regiões pesquisadas pelo órgão, considerando que existia um contingente de 40,2 milhões de pessoas em idade ativa no mercado de trabalho. A taxa de ocupação foi de 20,6 milhões de pessoas e este número cresceu 0,7% em relação ao mês anterior e em relação ao mesmo período do ano passado o total de ocupados aumentou 3,2% ou cerca de 641 mil indivíduos e uma das conclusões da pesquisa é que o crescimento da população ocupada foi superior ao do total da população em idade ativa. Em relação aos rendimentos médios dos trabalhadores houve uma estabilidade se comparado ao mês anterior e uma elevação de 5% diante de março de 2006 e os dados dos rendimentos dos empregados com carteira assinada subiram 2,2% em um ano, os empregados sem carteira assinada tiveram um ganho de 6% e os trabalhadores por conta própria tiveram um crescimento 12,1% em um ano.

    A população em idade ativa (PIA) estimada pelo IBGE nas regiões pesquisadas em março era de aproximadamente 40,2 milhões de pessoas e se comparada com março de 2006 houve uma alta de 2,2% de pessoas em idade ativa ou um acréscimo de 880 mil trabalhadores. As mulheres representam em março último 53,3% da população em idade ativa, enquanto os homens eram 46,7% do total e a maior parte deste contingente de trabalhadores por faixa etária se situa entre 25 a 49 anos ou 44,1% da força de trabalho. Em relação a População Economicamente Ativa (PEA) em março de 2007 o número de trabalhadores estava em 22,9 milhões de pessoas com uma alta de 1% em relação a fevereiro de 2007 e se comparado ao mesmo período do ano anterior foi registrado um crescimento de 2,9% na força de trabalho ou 648 mil pessoas a mais. A população economicamente ativa em março era distribuída de acordo com a faixa etária em 2,3% dos 15 a 17 anos, 18,2% dos 18 a 24 anos, 61,5% entre 25 a 49 anos e 17,8% nos trabalhadores de 50 anos ou mais. Em relação ao sexo os homens continuam a representar a maioria do contingente da PEA com 54,6% do total e a faixa etária de 16 a 24 anos é responsáveis por 20,1% dos economicamente ativos e 45,9% destes são chefes de família.

    A pesquisa sobre pessoas ocupadas mostrou que os homens são 55,7% deste contingente, enquanto as mulheres ficavam com 44,3% do total e em relação a faixa etária a pessoas com idade de 25 a 49 anos são um total de 63,2% dos ocupados. A jornada de trabalho da maioria dos trabalhadores, 49,1% da população ocupada, segundo o IBGE, era de 40 a 44 horas semanais e 33,4% acima de 45 horas. As empresas com mais de 11 pessoas representam 56,7% do total dos postos de trabalho e nos empreendimentos com 6 a 10 pessoas eram 6,2% o oferecimento de vagas e 37,1% trabalhavam em empresas com no máximo 5 pessoas ocupadas. Os empregados com carteira assinada no setor privado eram um total de 41,8% da população ocupada e em relação ao ano de 2006 ocorreu uma variação de 4,4%, ou seja, um aumento de 363 mil pessoas com carteira assinada. Os trabalhadores sem carteira de trabalho assinada estavam estimados em 14% da população ocupada e os trabalhadores por conta própria eram 19,5% da população ocupada, e se comparado com o ano anterior, houve uma alta de 5,9% deste contingente da força de trabalho.

    O total de pessoas desocupadas ficou em 2,3 milhões em março de 2007 e não variou tanto em relação ao mês anterior como quanto ao mesmo período do ano passado. Entre os desocupados 55,4% são mulheres e 8% tinham entre 15 e 17 anos, 39% ficavam na faixa etária de 18 a 24 anos e 46,5% se encontravam entre 25 a 49 anos. Entre os desocupados 20,3% procuravam o primeiro emprego e 24,9% eram responsáveis pela família. Em março de 2003 40,2% dos desocupados tinham até o ensino médio concluído, em 2004 esse total era de 43,3% e em 2005 chegou a 46,5%, no ano de 2006 um total 49% estavam nesta situação e em 2007, segundo a pesquisa, atingiu 52,3% dos desocupados. Em relação a renda dos trabalhadores, a pesquisa mostrou que o rendimento médio era de R$ 1.109,50 e na comparação com março de 2006 houve uma alta de 5%. O rendimento médio per capita da população ocupada era de R$ 817,54, com uma queda de 1% em relação ao mês anterior, havendo uma recuperação de 7,5% se comparado a março de 2006.

 

JCFL