Governador do Estado do Rio de Janeiro empurra o embrulho da segurança

O problema da segurança pública no Rio de Janeiro, após quase 50 policiais mortos no estado, inclusive um deles de segurança exclusiva do governador, se já era de calamidade pública, como gostam de dizer os políticos a serviço do capital financeiro, passou a não deixar margem de dúvidas.

    Governador do Estado do Rio de Janeiro empurra o embrulho da segurança



    O problema da segurança pública no Rio de Janeiro, após quase 50 policiais mortos no estado, inclusive um deles de segurança exclusiva do governador, se já era de calamidade pública, como gostam de dizer os políticos a serviço do capital financeiro, passou a não deixar margem de dúvidas.

    A dúvida permanece quanto à solução apresentada pelo governador, que preferiu transferir o problema oficialmente ao executivo federal, solicitando a ação das forças armadas nacionais e o aumento do contingente dos efetivos da guarda nacional de segurança, por um ano, principalmente atuando na região metropolitana do estado.

    A situação é constrangedora ao lembrar que existem as vítimas de latrocínio (assalto seguido de morte), as vítimas de artefatos provenientes de confrontos entre as polícias e os fora-da-lei (onde as vítimas são sempre alvejadas pelos criminosos), criando uma situação propícia para a solicitação do senhor governador ao governo federal de Lula, PT e aliados.

    Esquecem estes políticos, ou não querem lembrar, que durante o governo FHC, e aliados, a situação era a mesma, levando inclusive a uma greve nacional dos policiais. O nível de desemprego, o aumento do trabalho informal (outra balela inventada pelos capitalistas, é trabalho como qualquer outro, e inverte capital para estes hipócritas e miséria e tortura do trabalho para quem produz para sobreviver), o aumento da pauperização oficial, como nos ensina Marx, em “O Capital”, são contradições do atual sistema capitalista, que desde a implantação da política econômica do imperialismo, denominada neoliberalismo, não é resolvida pelos países que vivem dependentes deste mesmo sistema. Muitos, portanto, tentam vias alternativas. Mas a política do terror de Estado desenvolvida pelo centro hegemônico do sistema criou um mundo ameaçado, a isso chamam de “mundo sem fronteiras”, o mundo globalizado.

    Sérgio Cabral tornou-se agente dessa política, sua ênfase é na segurança contra o povo pobre, as chacinas que ocorreram em vários bairros, e principalmente a acontecida na Baixada Fluminense, e inclusive a mais recente que chacinou em torno de 6 pessoas, não embrulhada em sua propaganda de “combate contra o crime”, assim como as polícias mineiras, com o nome atual de milícias, cobram pedágio nos bairros proletários, e fazem negócios escusos com máquinas de jogo, depósitos ilegais de gás de cozinha, até TVs a cabo clandestinas e controle do transporte de kombis.

    Além disso, as ações da polícia nos bairros com os caveirões, espalha terror na população, combatendo tanto à noite quanto pela manhã entre os trabalhadores, quebrando a rotina de vida da população, criando um verdadeiro estado de sítio entre a classe operária.

    A saúde e a educação ficaram como promessas sem solução e a segurança ficará para ser solucionada pelas forças armadas, e para isso citou os parágrafos 142 e 144 da Constituição Nacional, além de outras disposições transitórias com os mesmos fins, este entulho da ditadura militar permite qualquer ação de caráter bélico em território em estado de guerra, no caso, o próprio território nacional.

    Portanto, o que esperar de um governador que quer trazer para o país o exemplo da Colômbia, com seu governo fantoche e subordinado aos EUA, através do Plano Colômbia, que espera, inclusive, que as grandes cidades brasileiras copiem os exemplos de Bogotá e Medellín, como cidades “pacificadas”. Por outro lado, suas principais alianças são com os governadores do PSDB, Aécio Neves, de Minas Gerais, e José Serra, de São Paulo.

    O passe livre, para estudantes e senhores idosos nos transportes coletivos, têm seus dias contados, o que provocou duas grandes passeatas dos estudantes, a primeira, inclusive, ocorrendo grande truculência por parte da Polícia Militar, uma das promessas de Sérgio Cabral durante sua campanha eleitoral.

    Nos hospitais está ocorrendo saída de pessoal técnico em virtude dos baixos salários, associados às péssimas condições de trabalho, que é o mesmo que vem acontecendo no serviço de educação. O que temos então? Para aqueles que votaram em Sérgio Cabral e pensaram que assim estavam encerrando o período Garotinho no estado do Rio de Janeiro, enganaram-se; surgiu um homem que chegou à política com o nome de seu pai -conhecido cronista da arte popular carioca e brasileira- e por tabela o partido que ele defendia à esta época. O tempo passou e o partido mudou, ele agora é PMDB, partido do sistema, e sempre com uma boca no governo. Saiu o caipira de Campos com sua mulher, e entrou o rapaz da zona norte/zona sul da cidade. Saiu o Garotinho do interior para entrar o “garotão da cidade grande”, trocou seis por meia dúzia, como diria o filósofo. É apenas mais um para trair o proletariado e classe operária, em especial.


Haroldo de Moura

mark
mark disse:
13/01/2011 17h31
 bom dia senhor governador Sergio Cabral,estou aqui para protestar e pedir que vocês tomem uma providencia. é sobre a gratuidade que nós aluno do IFF MACAE, hoje os alunos do Instituto Federal Fluminense (IFF)temos que pagar passagem agora ver se pode alunos ter que pagar passagem isso é um absurdo não acha?eu por ex: eu estou cursando o 2ºgrau e estou um ano pagando passagem para vir estudar,minha renda familiar é de R$:570,00 meu pai não tem codição de pagar passagem para eu ir estudar,agora ver só como que podemos fazer uma pais melhor se alguns jovem desitem de estudar em uma escola de qualidade para estudar a noite em uma outra escola e trabalhar de ajudante de pedreiro,olha que é ajudande nem pedreiro é,com uma situação dessa não tem como dirar os jovem do trabalho escravo e das drogas espero que senho governador lembre disso.
nesse mês a passagem aumentou de R$:5,00 PARA R$:5,50 só a passagem da ida para escola juntando dar R$:11,00 total.
desde já quero diser que aguardo um contado mais rápido possivel.
Comentários foram desativados.