Aos camaradas, companheiros e amigos de São Paulo

Longa vida à inauguração da sede da sucursal do Jornal Inverta e sua organização revolucionária em São Paulo! A inauguração da sede da sucursal do Inverta e sua organização em São Paulo, mais que um simples ato simbólico, representa o mesmo que representou o lançamento do Jornal Inverta em 20 de Setembro de 1991: Uma Grande Iniciativa Revolucionária!

Aos camaradas, companheiros e amigos de São Paulo

(Uma Grande Iniciativa Revolucionária)


    Camaradas: Longa vida à inauguração da sede da sucursal do Jornal Inverta e sua organização revolucionária em São Paulo!

    Naturalmente, seria uma imensa honra compartilhar in loco este momento, que marca, simbolicamente, mais uma conquista do trabalho revolucionário de todos os camaradas que militam no Jornal Inverta e sua organização revolucionária - PCML - neste imenso estado de nosso país. Seria muito difícil traduzir em palavras todo o sentimento e a importância histórica em relação a este FEITO. Aqueles que desconhecem a marcha dos acontecimentos, as inúmeras tentativas de refundação do trabalho revolucionário no Estado, talvez não possam entender todo o entusiasmo que nos toma neste momento. Das primeiras iniciativas em Sorocaba, posteriormente Campinas, até chegar a São Bernardo e agora ao coração do estado, considerando o simbolismo, inclusive do local, onde a partir de agora pulsará o coração do trabalho no Estado, isto é, na própria capital, sem dúvida é uma viagem que perdurou quase 3 décadas de trabalho incansável, de fé inabalável na direção e no caminho que livremente escolhemos para refundarmos, não somente as idéias da revolução comunista em nosso país, mas, sobretudo, a organização revolucionária capaz de conduzi-las de fato.

    Seguimos uma trajetória tortuosa e tendo por opção apenas enfrentar a tempestade de fogo que nos fizeram os inimigos de classe (mesmo os que se diziam ou se dizem amigos), e durante a mesma, em nenhum momento sequer aceitamos retornar ao pântano do qual nos separamos ainda nos dias em que optar pela luta era flertar a cada segundo com a morte, a tortura, a clandestinidade ou exílio. Lutamos durante todo este tempo no escuro, sem as luzes da mídia e o suporte das oligarquias, pois lutamos contra elas. Erramos muito e aprendemos muito até encontrar o caminho mais seguro e com luz própria – o Jornal Inverta. Muitos vaticinaram nosso fracasso, muitos diagnosticaram nosso envelhecimento nas idéias e na composição de quadros revolucionários, mas seguimos adiante! Fomos golpeados muitas vezes pelas costas, pelos lados e pela frente! Muitos não conseguiram continuar a caminhada ao nosso lado e se renderam ao pântano ou mesmo às oligarquias e muitos ainda trabalham para nos desviar do caminho.

    Portanto, este passo tão sonhado e lutado para se realizar finalmente aconteceu. Os inimigos se perguntam: como eles conseguem? Um grupo de resistência operária, nascido na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro; pessoas pobres, trabalhadores humildes e sem formação acadêmica, como podem chegar a tanto? Nós respondemos: acreditamos na revolução, por isso não somos mais apenas trabalhadores, mas revolucionários; acreditamos no marxismo-leninismo, logo, não mais ignorantes e agora com formação acadêmica revolucionária; lutamos e trabalhamos e esta luta e trabalho se transformou em experiência organizativa e renovação dos quadros. Nossa organização hoje já renovou cerca de 70% dos quadros e cresce fundamentalmente na juventude. Mas que tipo de jovem ingressa nas fileiras do PCML? Nós respondemos: Jovens trabalhadores, jovens artistas, jovens estudantes; jovens revolucionários! E assim o trabalho de refundação do Partido Comunista, sobre os princípios do marxismo-leninismo, se tornou um trabalho nacional, em que centenas e centenas de trabalhadores e trabalhadoras, jovens de todas as etnias, nos mais importantes estados do país tomam cada vez mais a frente desta atividade.

    A história, de verdade, se faz assim, fundindo o velho ao novo pela síntese dialética da superação, no sonho e trabalho coletivo revolucionário, e o fio condutor deste processo, sem dúvida, tem mostrado o acerto do caminho que tomamos: o Jornal INVERTA! A inauguração da sede da sucursal do Inverta e sua organização em São Paulo, mais que um simples ato simbólico, representa o mesmo que representou o lançamento do Jornal Inverta em 20 de Setembro de 1991: Uma Grande Iniciativa Revolucionária! Ela ficará gravada em nossos corações e mentes, com o mesmo simbolismo daquela Bandeira Vermelha, com a Foice, o Martelo e a Estrela, cravada no Reichtag Alemão, durante a segunda guerra mundial, em nosso caso no Reichtag das oligarquias Paulistas! Este é um passo que supera todas as nossas tentativas anteriores de implantação no Estado, e também honra os companheiros que tombaram neste processo e aqueles que, apesar de tudo e, sobretudo, continuaram a empunhar a Bandeira passando-a às novas gerações que emergem no presente para o futuro triunfante! Camaradas, vocês nos enchem de júbilo neste momento!

Vida longa à sede da sucursal do Jornal Inverta e de sua organização revolucionária, o PCML, no Estado de São Paulo!

Viva a refundação do Partido Comunista Marxista-Leninista!

Viva todos os revolucionários do PCML de SP!

Viva todos os camaradas que tombaram durante nossa luta: Goulart... Presente! Wilson... Presente! Manuel... Presente! Elisa Branco... Presente! Luis Carlos Prestes... Presente!

Viva os combatentes de sempre da direção do PCML em SP!

Viva a Revolução Comunista no Brasil!

Viva a Revolução Cubana e os povos em luta pela revolução comunista em nosso continente!


Rio de Janeiro, 20 de abril de 2007.


P. I. Bvilla

Pelo OC do PCML


Leticia Câmara dos Reis
Leticia Câmara dos Reis disse:
15/04/2011 15h58
Olá Inverta,
Sou professora de História e gostariamuito de ir para Venezuela ou Cuba, fazer projetos educacionais, estudar com maior profundidade a luta da América Latina.
Fico aqui a disposição.
O Importante é trabalhar pelas mudanças.
Um grande abraço camaradas.
Comentários foram desativados.