Eleições no sindicato dos Correios-RJ

Nos dias 17, 18 e 19 de abril haverá eleições no Sindicato dos Correios. A entidade abrange todo o Rio de Janeiro e tem em torno de 14 mil trabalhadores com cerca de 5.600 filiados. A eleição será em todas as unidades do Correio e CDD - Centro de Distribuição Domiciliar. Nas unidades do Correio a urna será fixa, já nos CDDs será itinerante.

Eleições no sindicato dos Correios-RJ


    Nos dias 17, 18 e 19 de abril haverá eleições no Sindicato dos Correios. A entidade abrange todo o Rio de Janeiro e tem em torno de 14 mil trabalhadores com cerca de 5.600 filiados. A eleição será em todas as unidades do Correio e CDD - Centro de Distribuição Domiciliar. Nas unidades do Correio a urna será fixa, já nos CDDs será itinerante.

    Estão concorrendo cinco chapas: Chapa 1, formada com os demitidos, mas tem o apoio do PCdoB através da CSC (Corrente Sindical Classista,); 2, da Corrente Sindical Classista (PCdoB); 3, chapa da articulação do PT em composição com o PSTU; 4, chapa do PCO – Partido da Causa Operária; e 5, da Alternativa Ecetista.

    Jorge Luis da Silva, que na chapa 5 está no cargo de secretário do interior, declarou ao INVERTA que a chapa Alternativa Ecetista, que trás como secretário geral Arnaldo Martins, é formada por companheiros - inclusive ele - que atuam na categoria desde 1987 e já atuaram como diretores por duas vezes a partir de 98. “Nós éramos desta diretoria, mas rompemos no Congresso Estadual da categoria, realizado em agosto de 2006, quando denunciamos a prática de alguns diretores membros do PCdoB e por não concordar com a reforma estatutária que queriam fazer com objetivo de aumentar o tempo de mandato e aumentar cargos na diretoria. Enfim, queriam se perpetuar e ter mais mamatas. É impossível aceitar esta prática”.

    “E eles mantêm a mesma prática”, continua Jorge Luis, “a formação da chapa 1 e 2, articulada pelo PCdoB, é uma manobra para enfraquecer a chapa Alternativa Ecetista, já que esta chapa é formada por membros que têm influência e o respeito da categoria. Deram um golpe nas três chapas, convocaram a assembléia eleitoral no apagar das luzes e em um jornal em Niterói, assim a comissão eleitoral só tem um membro representando as três chapas enquanto há 4 representando a chapa 1 e 2, que foram articuladas pelo mesmo seguimento político”.

    O componente da chapa desabafou: “tivemos que denunciar esses diretores à categoria, eles tiveram práticas incorretas, aparelharam o sindicato e desrespeitaram o colegiado. Sem autorização da mesma, alguns membros foram à boca do caixa descuidando da segurança e retiraram em espécie R$ 50.000, sendo assaltados. Não podemos descuidar com o dinheiro do povo”.

    Jorge Luiz reafirma que o dinheiro da categoria é para ser usado nas lutas e benefícios da categoria, não é para ser usado em campanha eleitoral de A ou B e conclama a categoria a votar em uma chapa que defende a independência do sindicato frente aos patrões: “Não podemos eleger uma diretoria que irá apoiar as medidas do governo contra os trabalhadores, governo este que é formado pelo PT e a base de sustentação entre eles, o PCdoB. O sindicato tem que combater a reforma sindical que propõe acabar com conquista adquirida com muito sangue de camaradas históricos”, concluiu Jorge Luis.

    O Comitê de Luta Contra o Neoliberalismo apóia a chapa 5. A chapa 5, Alternativa Ecetista tem como bandeira de luta: Sindicato de Trabalhador para Trabalhador Pelos PCCS – Plano de Carreira, Cargo e Salário, pelo caráter público dos Correios; contra a privatização. São contra o aparelhamento do sindicato a partidos políticos; são contra o Banco Postal, o Correio faz serviço bancário para o Bradesco, foi uma manobra do governo FHC; contra as dobras dos carteiros dos Correios.

    A chapa 5, Alternativa Ecetista, além de outros apoios passou a contar com o apoio do Comitê de Luta Contra o Neoliberalismo - RJ.

Ousar Lutar Ousar Vencer!

CLCN-RJ