Cresce deportação de paraguaios na Espanha

Cerca de dois mil paraguaios foram expulsos da Espanha de janeiro a setembro de 2006, segundo relatório do escritório consular da embaixada do Paraguai em Madrid.

Asunción, 11 out (Prensa Latina). Cerca de dois mil paraguaios foram expulsos da Espanha de janeiro a setembro de 2006, revelou um relatório do escritório consular da embaixada de Asunción, em Madrid, divulgado na imprensa local.
A notícia detalha que de janeiro a setembro de 2006 houveram 856 inadmissões, 409 detenções e 485 expulsões de outro caráter -mil e 750 deportações no total-, motivadas por medidas judiciais ou procedimentos administrativos executados no país europeu.
Os agentes migratórios negam a entrada em território espanhol a qualquer estrangeiro que não reúna alguns requisitos, esclarece o documento do consulado paraguaio, sem precisar a quais deles se refere.
Fontes da Chancelaria afirmaram que entre os deportados figuram casos de narcotráfico e de mulheres envolvidas no tráfico de drogas, embora estas últimas -precisaram- foram deportadas por vencimento de vistos na Espanha, onde a prostituição não é delito.
Nesta capital 15 paraguaios deportados relataram que viajaram a território espanhol com a ilusão de trabalhar ou tirar férias, entretanto, tiveram que retornar logo após sofrerem maus tratos no aeroporto Barajas de Madrid.
Os residentes legais em distintas cidades espanholas chegariam a 12 mil. Pelo contrário, a missão diplomática assevera que haveria 30 mil em toda a Espanha, o que implicaria que 18 mil permanecem em condições irregulares.
Diante da demanda dos compatriotas expulsos e vexados no aeroporto de Madrid, o consulado paraguaio apresentou razões de índole técnica que a seu ver impedem de atuar às legações diplomáticas em casos de inadmissões.
O anterior foi qualificado por analistas e meios de imprensa locais como expressão de impotência da Chancelaria.
De acordo com dados divulgados na semana passada por um estudo de opinião pública, as remessas do exterior, provenientes dos emigrados, alcançarão 650 milhões de dólares este ano e passarão a ser a principal fonte de divisas da economia nacional.
Um total de 3,7 milhões de paraguaios vive fora do país, a maior parte em nações vizinhas como a Argentina e Brasil, embora nos últimos anos cresceu a emigração para a Europa.

Prensa Latina