Os custos da Guerra do Iraque

 

Um levantamento da Universidade de Yale mostrou as cifras dos custos da Guerra do Iraque.

Os custos militares seriam de US$ 140 bilhões e os gastos da ocupação e manutenção da paz por um período longo chegariam a US$ 500 bilhões.

Na reconstrução do Iraque, o conflito poderia chegar a US$ 105 bilhões, em ajuda humanitária os números alcançariam US$ 10 bilhões e os custos seriam US$ 778 bilhões, mas se somarmos os gastos diretos e indiretos o efeito negativo seria de US$ 1.924 trilhão.

Esta conta é paga pelos importadores de petróleo e pelos que pagam juros aos EUA.

A grande verdade é que a violência no Iraque está fora de controle, com um custo altíssimo para os invasores, como para a população do país que está vivendo um inferno com carros-bombas explodindo todos os dias matando inocentes.

As baixas norte-americanas já passam de 2 mil soldados, e de civis iraquianos passa de 50 mil, desde o começo da guerra; mas a resistência dos rebeldes está infringindo muitas mortes aos exércitos de ocupação, com atentados por todo o país.

O caos instalado no Iraque está longe de ter fim, uma vez que a ganância das potências estrangeiras no petróleo iraquiano faz com que os dirigentes destes países mantenham as suas tropas neste verdadeiro massacre criminoso encabeçado pelo presidente dos EUA, George W. Bush.

A mais nova aventura imperialista no Oriente Médio está prestes a acontecer, uma vez que com o afastamento de Ariel Sharon da liderança de Israel, o caminho está preparado para a ascenção de Benjamin Nethaniahu novamente como primeiro-ministro do Estado judeu.

O candidato do Likud, Benjamin Nethaniahu, já prometeu que se for eleito primeiro-ministro de Israel irá atacar a usina nuclear do Irã, como fez em 1981 com a do Iraque.

O Irã já afirmou que, caso seja atacado por Israel, irá reagir, e estará lançado um novo conflito no Oriente Médio que pode se internacionalizar, pois existem muitos interesses em jogo, econômicos principalmente.

O Irã é um grande produtor de petróleo, e o fracasso dos EUA para obter fontes de energia no Iraque, uma vez que desde a invasão nunca foi tão baixa a produção petrolífera iraquiana com os constantes ataques da resistência armada contra os oleodutos do país.

Com esse clima de insegurança o barril de petróleo está novamente acima de US$ 60 e o ouro alcança a sua maior cotação em 25 anos com a onça-troy acima de US$ 520 no mercado de Londres.

JCFL