XIV anos de Inverta e XIII de Granma promovem o III Seminário de Luta contra o Neoliberalismo

Realizou-se no dia 24 de setembro, as comemorações pelo 14º aniversário de INVERTA e pelo 13º aniversário de divulgação em língua portuguesa do jor- nal GRANMA internacional, órgão central do Partido Comunista Cubano. Entre as atividades programadas, o III Seminário de Luta contra o Neoliberalismo, que nesta nova versão representaria uma tomada de posição das esquerdas em torno da crise institucional e política a que o governo Lula, PT e aliados tinham mergulhado. Ao mesmo tempo, o posicionamento das forças de esquerda, visando tabular um programa mínimo de lutas para a libertação total de nosso povo, em especial a classe operária e os trabalhadores sem-terra do campo, assim como todos os explorados pelo sistema imperialista em nosso país.

 

UERJ sedia mais um aniversário de INVERTA

As atividades foram realizadas, mais uma vez, no Teatro Noel Rosa, na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, a partir das 9h, tendo grande presença, entre militantes, interessados nos debates e em toda programação composta de exposição, com mostra de jornais INVERTA e Granma, as fotografias do repórter-fotográfico Alcyr Cavalcanti, as esculturas da artista plástica Dalva Moreira e as telas do artista plástico Bartolomeu Júnior.

O almoço de adesão

Às 13 horas foi realizado o almoço de adesão, um delicioso estrogonofe. Na mesma ocasião foi interpretado pelo ator Idioraci Santos, o poema "Aos que vierem depois de nós" de Bertolt Brecht; traduzido por Manuel Bandeira. A outra atração veio de Queimados, Baixada Fluminense, um balé infantil, com toda a singeleza das crianças e a certeza de que a luta do INVERTA em defesa da classe operária e seus filhos e filhas está sendo reconhecida. As meninas vestiam uma faixa vermelha com o nome do Jornal.

Cineasta Sílvio Tendler prestigia evento

O cineasta Sílvio Tendler, grande amigo de INVERTA, prestigiou o evento e após a exibição de seu documentário “Milton Santos, Um Pensador em Busca da Verdade”, debateu com o público, destacando a importância da militância política em torno do Jornal INVERTA. A presença de Sílvio Tendler deixou bastante entusiasmados os presentes, militantes políticos, operários, estudantes e artistas, que se sentem muito honrados pelo respeito que o cineasta tem pela classe trabalhadora e pelo que ela produz. Em 2004, Tendler foi agraciado com a comenda Imprescindível.

Revolucionário Apolônio de Carvalho foi lembrado

Minutos de silêncio lembraram o revolucionário comunista Apolônio de Carvalho, cujo velório estava acontecendo também no dia 24. Apolônio foi um dos brasileiros que lutaram durante a Guerra Civil Espanhola.

A comenda Imprescindível

A comenda Imprescindível foi entregue em 2005 ao ator Idioraci Santos, que após ser agraciado recitou o poema "Dito no Pacaembu" (Brasil-1945), de Pablo Neruda, presente no livro Canto Geral, em homenagem a Luis Carlos Prestes; à presidente da Cooperativa INVERTA, Sueli Dantas; ao técnico de Enfermagem e membro da equipe de distribuição de INVERTA, Silvino Benevenuto; ao jornalista Délson Plácido; ao camarada Wilson Frederico (SP); ao historiador Lincoln Penna; ao camarada Edgar Villafort (MG) e os presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, e de Cuba, Fidel Castro Ruz, também foram agraciados com a comenda Imprescindível, entregues respectivamente à Consulesa venezuelana Asunta Paolini e ao ministro de Comunicação da Embaixada de Cuba no Brasil, Alejandro Palacios.

Seminário chama Congresso Contra o Neoliberalismo

A grande importância do Seminário, que teve como primeiro tema “A Unidade das Esquerdas e a Crise” foi o de poder contar com representantes de organizações políticas que procuram espaços de diálogo, e se possuem ainda uma formulação em desenvolvimento, estão convictos de uma necessária frente antineoliberal, capaz de fazer frente a todas as falcatruas e desmandos ocorridos no país desde a era Collor.

O representante do CEPPES (Centro de Educação Popular e Pesquisas Econômicas e Sociais), Antônio Cícero Cassiano Sousa, dirigiu os trabalhos da mesa onde estiveram os representantes do  Reage Socialista, o Movimento de Conscientização e Luta Social (MCLS), o Movimento pela Anistia e Democracia (MODAC),  Partido Comunista Marxista-Leninista (PCML-Br), PCR, PSTU, PSB e MTL.O representante do PCR, Marcos Villela, desenhou aspectos gerais da crise do capitalismo presentes em sua fase superior: o imperialismo. Fez sua discussão, mostrando que as crises levam à libertação do proletariado. Ciro Garcia, pelo PSTU, falou da proposta de sua agremiação que antes era contra FHC e o FMI, e agora, diante da situação colocada, seu partido é "contra TODOS". E propôs como saída o Comlutas e o Comlute. Geraldo Moreira falou pelo PSB, e destacou a luta do Jornal INVERTA, pela permanência em quatorze anos sem a ajuda de governos, nem internacional. Ele elogiou a iniciativa da realização do Seminário, em consonância com as comemorações do GRANMA Internacional. Henrique Acker citou a importância da iniciativa, se colocou em condições de trabalhar pela criação de um conjunto de forças de esquerda, capaz de construir uma unidade política de fato.

O companheiro Eduardo Henrique falou pelo Reage Socialista, demonstrou todo o trabalho da esquerda dentro do PT, em procurar espaços de discussão capazes de produzir uma visão libertadora, primeiro onde atuavam, segundo ampliando esta visão para produzir o que ali se pretendia: a real unidade das forças de esquerda, em torno de um programa unificado. Citou também o processo de não formação de quadros, presente dentro do partido e como isso impediu o desenvolvimento dos militantes, e que hoje estão como um coletivo para prosseguir no trabalho de formação e de aproximação com outras propostas. Vinicius Antunes da Silva, do MCLS, discursou concordando com as iniciativas do INVERTA, e, além disso, falou do grande papel representado pelas comunicações para a conscientização e o esclarecimento de amplo espectro da população. Acrescentou ainda, que seu movimento procura desenvolver estas potencialidades e atingir esses objetivos. O companheiro Barbosa, representando Raimundo Porfírio, presidente do MODAC, saudou os presentes e falou da importância dos 14 anos do Jornal INVERTA, como órgão de denúncia das injustiças contra o povo pobre, em especial a classe operária.

O sociólogo Haroldo de Moura (PCML) falou sobre os temas que envolvem a crise política do governo, além de saudar o público presente e os componentes da mesa. O seu discurso breve, acentuando a financeirização presente na crise, uma vez que esta se desencadeia pela mudança dos negócios do governo. E, além disso, pelo caráter de apodrecimento das instituições burguesas, diante da continuada crise internacional, assinalou ainda a necessária formação de um bloco de forças revolucionárias, capaz de organizar um Congresso Nacional de Luta contra o Neoliberalismo.

O ponto alto do Seminário foi a leitura da Carta ao Povo Brasileiro, que desvela as reais razões da crise política vivida no país, onde mais que “mensalão” ou qualquer outra distorção de caráter corruptor, estão os blocos financeiros, representados pelo Bank Boston, de Henrique Meirelles, presidente do Banco Central brasileiro, e o City Group, comandado por Armínio Fraga quando na mesma função. Além disso, cita os erros petistas que levaram boa parte da esquerda institucional a abandonar a base de alianças, obrigando a que fizessem uma guinada cada vez mais à direita, trazendo o PP e o PMDB. Com isso, somente fortes alianças à esquerda, representando forças revolucionárias socialistas e comunistas, podem mudar esse quadro, criando condições de forjarmos um programa mínimo para o povo trabalhador, seguindo o exemplo de todos os nossos lutadores sociais, tendo em Luis Carlos Prestes, seu emblema principal, assim como todos os lutadores de toda nossa América Latina, desde Bolívar até Fidel Castro e Hugo Chávez.

O povo atendeu ao chamamento do INVERTA e compareceu prestigiando nossas comemorações, assim como toda a militância, trazendo as delegações e se desdobrando para a boa consecução de toda programação. Os partidos e as organizações políticas, também vieram discutir as saídas políticas para nosso país.

A Unidade da América Latina

Esteve presente na mesa da América Latina, que constituiu o segundo tema debatido pelo seminário, o editor de INVERTA, Aluisio Bevilaqua, que coordenou os trabalhos ao lado do membro da redação de INVERTA, Roberto Figueiredo (SP); o historiador Lincoln Penna, que falou sobre o Brasil; o representante de Cuba, Alejandro Palácios e a consulesa adjunta do Consulado Geral da Venezuela no Rio, Asunta Paolini, representando o governo bolivariano.

O diplomata cubano saudou o evento, destacando a importância do papel da imprensa revolucionária em levar aos leitores a verdade sobre os acontecimentos. Um dos exemplos é a divulgação do que está acontecendo com os Cinco Heróis Cubanos mantidos em cárcere nos EUA por defenderem seu país de ações terroristas perpetradas pela máfia de Miami e acobertados pelo governo dos EUA.

A consulesa Asunta levou ao conhecimento dos presentes o relevante trabalho que está sendo realizado pelo governo bolivariano, sob o comando do presidente Hugo Chávez, no sentido de promover ao povo de seu país melhores condições de vida, como a reforma agrária. A diplomata destacou algumas medidas tomadas pela Revolução Bolivariana em defesa da população, além do respeito à autodeterminação dos povos, a solidariedade latino-americana. O apoio crescente ao governo Hugo Chávez se dá por sua profunda identificação e compromisso com as demandas dos trabalhadores. A solidariedade a Cuba Socialista, se dá em várias esferas, como no comércio e em iniciativas como a criação da TV Sul.

As artimanhas do Imperialismo para subjugar os povos do mundo, dentre elas, os latino-americanos estão, além dos planos de guerras explícitas, como acontece atualmente no Iraque, na imposição das políticas neoliberais nos países “colônias” e a implementação das mesmas por parte dos governos títeres ao imperialismo. A organização popular nos Comitês de Luta contra o Neoliberalismo foi apontada como uma das formas de defesa do povo brasileiro.

Show confirmou contribuição de INVERTA na cultura brasileira

Mais uma vez, dezenas de artistas compareceram ao convite de INVERTA e homenagearam essa iniciativa histórica. Artistas como a cantora Marília Bevilaqua e o violonista Cristino de Carvalho, pai da cantora e bandolinista Nilze Carvalho; o grupo de hip-hop Amandla, de SP; Faka e os Carlitos, da Baixada Fluminense; o rock do A Medida Q e do Saia de Off; e o forró do Sudeste Show deram uma demonstração de talento e solidariedade ao Jornal INVERTA. A eles nosso agradecimento!

Sucursal RJ e Redação