O golpe de 1964

Brasil 64-94

O Brasil vinha se construindo, confiante como nunca em sua capacidade de transformar-se para superar o atraso e acabar com a pobreza, quando sobreveio o golpe militar de abril de 1964. O que se queria era alargar os quadros sociais, para que mais brasileiros tivessem empregos em que progredissem por seu esforço, para que todos comessem todos os dias, para que cada criança tivesse oportunidade de completar seu curso primário. Vale dizer, aquilo que é progresso e modernidade para nações civilizadas. Tudo, dentro da democracia e da lei.

1964: a vingança como programa de revolução

A Revolução de 1964, não sei bem porquê é chamada de revolução, serviu mais a qualquer outro fim a um programa de vingança. Ela perseguiu especialmente pessoas que tinham desagradado os personagens que tomaram conta do Movimento que, à falta de melhor orientação, seria ajustado aos seus propósitos o de criar rótulos suspeitos para pessoas qualificadas como subversivas, condição derivada apenas de posições liberais, tomado o termo no sentido de tolerância em face de opiniões divergentes, especialmente como filiados a partidos considerados de esquerda.

O golpe de 64 e a resistência do povo

Quando se vai comemorar, em 1º de abril, 30 anos do sanguinário golpe de estado, com apoio dos Estados Unidos da América do Norte, contra as instituições democráticas de nosso país, diariamente, alguns jornais escrevem artigos, com palavras ofensivas a heróis brasileiros, particularmente ao Capitão do Exército Carlos Lamarca. Infelizmente os mortos não se podem defender das mentiras e das calúnias. Há, entretanto, inúmeros brasileiros que sempre defenderão sua memória.

O espólio da Revolução

Há trinta anos, militares de direita, a pretexto de combater a subversão e a corrupção, e "salvar" o País do "bolchevismo", tomaram o poder pelas armas e, no poder, permaneceram quase duas décadas. A esse golpe de Estado, semelhante a todos os outros que já se tomaram rotina na história do nosso Continente, chamaram de "revolução". O golpe precisava justificar-se, forjar sua ideologia que, aliás, já estava pronta, a "doutrina" da segurança nacional, elaborada na Escola Superior de Guerra, apelidada, não se sabe porque, de Sorbonne.