Movimento

Mulher, Feminismo e Luta revolucionária!

A construção social forçada para tornar as mulheres obrigatoriamente do lar, para o casamento, além da ocultação da herança histórica revolucionária da luta feminina, sustenta-se na lógica capitalista de fortalecer o patriarcado.

Não ao Golpe! A luta continua!

A Juventude 5 de Julho, que também esteve presente no ato em Brasília contra o impedimento da presidenta Dilma Rousseff, registrou alguns depoimentos de militantes sociais, trabalhadoras, trabalhadores e estudantes que participaram na vigília contra o golpe no dia da votação da Câmara dos Deputados, em 17/04.

O 8 de março em São Paulo e as reflexões que nos traz a guerreira Domitila Barrios

Domitila - mulher, indígena, boliviana, dona de casa, oriunda das minas, mãe de sete filhos, dirigente sindical, presa e torturada pela ditadura na década de 70 dizia: “A nossa posição não é igual a das feministas. A nossa libertação consiste primeiramente na libertação de nosso país do imperialismo e que um operário como nós esteja no poder; e que as leis, a educação, tudo seja controlado por ele.

Canto a democracia mobiliza corações contra o golpe

Cerca de 30 mil pessoas passaram pela Praça da Estação durante o evento para apreciar o trabalho de artistas como Toninho Horta, Vanderlee, Celso Adolfo, Chico Amaral, Filhas da Mãe, Coletivo Negra, Gustavito, Djambê, Nem Secos, Mulheres do Hip Hop e Titane.